Publicado emCrónicas

“Personagens florais nas calendas de maio”, por Aurélio Lopes

Até tempos não muito distantes, em Portugal, a entrada de maio era assinalada pela construção de efígies antropomorfas feitas de palha e ornamentadas com folhagens e flores ou incorporada por indivíduos, igualmente cobertos de ramos e arbustos florais, encarnando assim a força da vegetação ou personificando as suas míticas manifestações. Bonecos e personagens vivos (quase […]