Publicado emTorres Novas

Margarida Montenÿ e Carminda Soares em “Simulacro”, no Teatro Virgínia

Em palco, encontram-se dois corpos, que em ação contínua exploram os limites da sua proximidade através da natureza degenerativa do gesto. Cria-se um espaço difuso entre o real e o encenado, entre o público e o privado, potenciando-se estados de vulnerabilidade, expectativa e tensão. “Simulacro” parte de um conjunto de ações e gestos presentes no […]