Alcanena vai redefinir projeto para rede de abastecimento de água devido ao 'repetir de ruturas'. Foto ilustrativa. DR

O município de Alcanena tem em curso os trabalhos relacionados com o novo furo de Filhós (dada a inoperacionalidade do anterior), que se prevê esteja concluído até final deste mês, mas continua a registar de forma contínua constrangimentos e ruturas na rede de abastecimento de água. O repetir de ruturas já levou a autarquia à conclusão da necessidade de um projeto “mais vasto”do que o inicialmente previsto, e que apontava para um investimento na ordem dos 200 mil euros, para intervir nas redes de abastecimento de água mais antigas, deu conta o vereador Nuno Silva (Cidadãos por Alcanena).

No que concerne ao novo furo em Filhós (freguesia de Bugalhos) – o qual acarretou um investimento de cerca de 150 mil euros – já foram perfurados cerca de 200 dos 330 metros necessários, tendo os trabalhos atrasado devido a algumas avarias no equipamento na passada semana. A previsão é agora que fiquem concluídos até ao final do mês de agosto. Entretanto, o abastecimento de água continua a ser garantido à população com recurso a um camião cisterna. 

No entanto, as várias ruturas que se têm verificado no concelho – nos últimos 15 dias foram 11 – distribuídas pelas várias freguesias -, “tem-nos levado à conclusão que de facto temos que fazer um projeto mais vasto sobre a nossa rede de abastecimento de água e partir para intervenções, nomeadamente nas redes mais antigas, que começam – e isto nota-se de semana para semana – a dar problemas”, afirmou o vereador Nuno Silva na reunião de executivo realizada no dia 22 de agosto.

ÁUDIO | NUNO SILVA, VEREADOR CM ALCANENA:

Nuno Silva, vereador Câmara Municipal de Alcanena.

O autarca deu nota da situação na localidade de Chã de Cima, localidade da União das Freguesias de Malhou, Louriceira e Espinheiro, cuja população se queixava já há vários anos, pelo que a Aquanena decidiu proceder à aquisição de um sistema de aumento de pressão para conseguir atingir as zonas mais altas desta localidade. Aguarda-se pela chegada do material para que este possa ser montado. 

“Entretanto também está em processo de desenvolvimento a instalação de novos contadores, uma vez que regularmente é necessário ir trocando os contadores porque começam a verter e depois existem perdas aparentes que são contabilizadas e é obrigatório a substituição destes equipamentos”, disse Nuno Silva.

Mais relacionado com a parte ambiental, o edil referiu que já foram removidas cerca de cinco toneladas de produtos químicos da Alves Raposo (antiga fábrica cujas instalações foram adquiridas pelo município) e que entretanto irão igualmente ser removidas as peles antigas que ainda lá se encontram, dando ainda conta de uma situação de um depósito de resíduos em Covão do Feto. Já foi feita uma comunicação ao proprietário, mas, afirmou, a situação vai ter de andar de outra forma. “Vamos ter de equacionar uma intervenção por parte do município, uma intervenção à força”, adiantou.

O autarca disse também que o projeto que visa a implementação de gás natural na localidade de Gouxaria (União das Freguesias de Alcanena e Vila Moreira), já deu entrada nos serviços municipais, pelo que, “se tudo correr bem, irá ser concretizado no segundo semestre de 2022”.

A implantação de uma rede de distribuição de gás natural por parte da Tagusgás, e com um investimento estimado de meio milhão de euros, permitirá numa primeira fase o abastecimento das unidades industriais e, posteriormente, dos clientes domésticos.

Notícia Relacionada

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.