Foto ilustrativa: Pixabay

A empresa Tagusgás está a equacionar a implantação de uma rede de distribuição de gás natural em Alcanena, a construir em Gouxaria (União das Freguesias de Alcanena e Vila Moreira), local onde estão implantadas algumas das maiores unidades industriais do concelho alcanenense. O avanço do projeto, com um investimento estimado de meio milhão de euros, está dependente da confirmação do interesse por parte dos clientes empresariais.

A apresentação do projeto ao município e aos empresários por parte da empresa decorreu na quarta-feira, dia 18 de maio, sendo que a proposta é de implantar, até ao final de 2022, uma rede de gás que permitirá o abastecimento dos clientes empresarias (numa primeira fase), bem como, posteriormente, de clientes domésticos.

A viabilidade do projeto “está dependente da confirmação do interesse por parte dos clientes empresariais, o que deverá ocorrer até final do primeiro semestre de 2022”, refere informação municipal, que adianta ainda que o projeto apresentado prevê quatro mil metros de extensão, 500.000€ de investimento e 1.500.000 m3/ano de gás transportado na rede.

O prazo de execução para implantar o projeto está estimado em 90 dias.

O projeto foi apresentado na quarta-feira, dia 18 de maio, no Auditório dos Paços do Concelho, em Alcanena. Foto: CM Alcanena

A posterior ligação à rede de gás natural compete aos clientes, os quais “devem” para isso recorrer a empresas instaladoras credenciadas, bem como lhes compete a escolha do comercializador e a negociação das condições comerciais para o fornecimento de gás, em regime de mercado livre.

“Este projeto contribuirá, certamente, para impulsionar a economia local, melhorar a segurança energética e beneficiar o ambiente”, refere a autarquia, que considera o projeto “agregador de valor”, inserindo-se no âmbito da promoção da descarbonização da economia e da transição energética, visando a neutralidade carbónica em 2050.

“A rede de gás natural no concelho de Alcanena é recente e está preparada para o futuro, isto é, para acomodar a introdução de hidrogénio ou metano no gás natural, tornando-o mais verde”, lê-se ainda na informação divulgada pelo município.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.