Peixe do Rio é rei em festival que anima Tancos este fim de semana. Foto: mediotejo.net

Em 2019 a enguia esgotou logo no primeiro dia, pelo que a organização este ano optou por dobrar a quantidade. Só deste peixe são 40 quilos que são colocados à disposição de todos aqueles que se deslocarem até à zona ribeirinha de Tancos para degustar estas iguarias. E a organização, tendo em conta a procura na sexta-feira, primeiro dia do evento gastronómico, tenciona “despachar” o peixe todo.

“O peixe que a gente pensava fritar hoje já foi e vamos agora a meio da noite”, diz-nos Rui Ferreira, pescador desta freguesia do concelho barquinhense, que ajuda na festa dos sabores ribeirinhos.

Entre o desembaraço a fritar saboga e barbo numa grande frigideira a respingar, explica-nos que o segredo passa por “saber trabalhar para o peixe”, sendo que para uma boa fritura é preciso um lume forte e uma frigideira boa.

As enguias fritas são um dos atrativos do festival. Foto: mediotejo.net

Também Cláudia Soares, por parte da Comissão de Festas, em conversa com o mediotejo.net disse que estavam “bastante otimistas, embora seja o primeiro dia achamos que está a correr bastante bem”, sendo que em termos de peixe estava a sair “um bocadinho de tudo”, tanto que os colaboradores do evento estavam “sem mãos a medir”.

“Amanhã vamos ter (…) [temos] a nossa noite de fados, nós quisemos apostar aqui numa dinâmica entre fadistas mais novos e fadistas que são de uma idade diferente para tentar também que as pessoas tivessem um bocadinho de noção de qual é a diferença entre o fadista que canta agora mais novo e o fadista que tem mais idade. Isto foi aquilo em que apostámos em termos de animação. E amanhã de certeza que vão encontrar aqui pessoal muito bem disposto e com muita vontade de servir quem tiver aqui presente, portanto convido todos a estarem presentes”, disse ainda Cláudia Soares entre sorrisos de boa disposição.

O evento é organizado por três associações de Tancos, nomeadamente o Grupo Folclórico “Os Pescadores de Tancos”, o Clupedesta (Clube de Pesca Desportiva de Tancos) e a União Desportiva de Tancos. Foto: mediotejo.net

A organização é composta pelo Grupo Folclórico “Os Pescadores de Tancos”, Clupedesta (Clube de Pesca Desportiva de Tancos) e União Desportiva de Tancos, explicando Cláudia Soares que sendo Tancos uma terra “muito pequena” que neste momento não tem mais de 200 habitantes, as associações resolveram unir-se na realização deste evento “não só dinamizar a nossa freguesia e trazer pessoas de fora, mas também para que as pessoas pudessem conhecer quais são as nossas tradições, o peixe do rio, os nossos pescadores”, no fundo, a história e dinâmicas da aldeia de Tancos e a sua ligação ao rio Tejo.

As mesas estão bem compostas com apreciadores das iguarias ribeirinhas, ao fundo o grupo de sevilhanas “Luna Flamenca” já anima a noite. Damos uma voltinha pelo espaço e encontramos Fernando Freire, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha, que veio até Tancos jantar com a família.

Peixe do Rio é rei em festival que anima Tancos este fim de semana. Foto: mediotejo.net

O autarca barquinhense enfatizou o facto do evento ter por base recursos endógenos, referindo que “importa valorizar quer o próprio rio, quer o habitat, alertar essencialmente para a conservação das espécies, para a água no rio Tejo, que ela corra como se deseja em termos de sustentabilidade e em termos ambientais. Tancos tem a sua história ligada à pesca, aos pescadores, às mercadorias e tráfego fluvial, e é isso que a gente comemora, com alegria e neste momento já afastando a pandemia mas continuando sempre alerta”, disse Fernando Freire.

Mas nem só de enguia ou saboga – peixes até agora referido – se compõe o cardápio. Fataça e barbo, são outros peixes que constam na ementa, pratos a serem acompanhados por salada mista com pimento e açorda de coentros ou arroz de tomate. Se não se decidir entre qual escolher, pode sempre optar pela opção de fritada de peixe, sendo que tem igualmente à disposição sopa de peixe, caracóis e febras no pão/prato.

E este festival contribuiu também para uma alimentação mais diversificada de quem lá vai, tal como afirma Rui Ferreira que defende que “é muito bom haver estes festivais do peixe, haver mais gente a comer peixe, porque qualquer dia não temos ninguém a comer peixe, estamos a comer todos pizzas. Estes festivais do peixe são muito bons para a malta começar a comer mais um bocadinho das coisas boas que a gente tem aqui no rio Tejo”, defendeu.

O festival prolonga-se assim durante os dias 27 e 28 (sábado e domingo), sendo que a noite de sábado é animada com uma noite de fados, a qual vai contar com as presenças dos fadistas Diogo Ferreira, Tomás Estrela, Tina Jofre e Joana Carmo.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Excelente reportagem, estando no estrangeiro as saudades não faltam. Muita amizade nesse Tancos onde nasci.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.