Comissão de Utentes vai entregar abaixo-assinado com 4.000 assinaturas recolhidas em Alcanena. Foto: mediotejo.net

Marlene Carvalho, do Cidadãos por Alcanena, referiu que a primeira fase do procedimento concursal da colocação de médicos já está encerrada, pelo que “nós aguardamos pelo desenvolvimento do procedimento e pelo cumprimento da promessa de colocação de dois médicos no imediato. Estamos a acompanhar com todo o rigor que nos cabe e que nos é possível e vamos exigir naturalmente que seja cumprido”, disse.

Isto depois de a população de Alcanena se ter manifestado em frente ao Centro de Saúde na sexta-feira, dia 24 de junho, reivindicando mais médicos e a reabertura dos Centros de Saúde.

Alcanena, com mais de 7.000 utentes sem médico de família atribuído, numa população com 12.478 residentes (segundo os Censos de 2021), “é, em termos percentuais, a situação mais grave, embora, em termos absolutos, haja concelhos em pior situação, como é o caso de Abrantes, que tem 9.000 utentes sem médico de família, e de Ourém, que está muito perto dos 15.000″, disse Manuel José Soares à Lusa.

Alcanena exige colocação de dois médicos no concelho e prepara transferência de competências da Saúde. Foto: mediotejo.net

Em Alcanena, a vereadora abordou ainda a questão de transferência de competências na área da saúde, num trabalho que está a ser desenvolvido em conjunto com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), pelo que o município está a aguardar o envio da adenda ao auto de transferência de competências, naquele que é um “documento complementar, onde vai estar enquadrado precisamente o investimento nas estruturas e nos edifícios que estão afetos ao exercício da saúde pública no concelho”, e que numa primeira instância irá englobar o polo de Alcanena e de Minde.

ÁUDIO | MARLENE CARVALHO, VEREADORA CM ALCANENA:

Ponto de situação feito pela vereadora Marlene Carvalho (Cidadãos por Alcanena) sobre o tema da saúde no concelho.

Sobre a ARSLVT, Marlene Carvalho disse ser “uma estrutura muito lenta”, o que dificulta os procedimentos do dia a dia, pelo que “queremos muito que esta morosidade das estruturas maiores seja rapidamente ultrapassada para se poder começar também a estar no terreno”.

Da parte da ARSLVT, a vereadora referiu que ficou o compromisso de que a transferência de competências “deve acontecer na medida daquilo que o município também considerar oportuno, isto é, nós não precisamos no dia seguinte, não temos que assumir as competências no mesmo segundo, sem que esteja o caminho preparado”, explicou Marlene Carvalho.

A vereadora acrescentou que a assinatura do auto de transferência de competências é um trabalho que vai sendo ajustado paulatinamente, dentro daquilo que é a própria vida e orgânica, sobretudo do Centro de Saúde de Alcanena, que é o “peso pesado” desta transferência de competências.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.