Concerto de Salvador Sobral está quase lotado. Bilheteira teve que ser aberta antecipadamente devido à procura. Foto: mediotejo.net

A programação até dezembro do Teatro Virgínia, em Torres Novas, inclui nomes da música, do teatro, da dança e do novo circo, como Salvador Sobral, Nouvelle Vague, Ana Moura, Mala Voadora, Teatro do Eléctrico e Rui Horta. Há ainda um conjunto de atividades a promover junto das escolas.

A apresentação ao público da agenda do Teatro Virgínia decorreu no sábado, 2 de setembro, no teatro. Segundo o diretor artístico, Rui Sena, um dos desafios “é como chegar cada vez mais junto das pessoas”, querendo-se apresentar propostas que vão ao encontro da comunidade. Uma dessas apostas são os projetos como cariz educativo, nomeadamente “E tu Camões, não dizes nada?”, peça que será levada aos alunos do 9º ano.

Classificando a agenda como “equilibrada” e  “diversificada”, comentou que o espetáculo com Salvador Sobral, dia 16 de setembro, estava a ser negociado há dois anos, tendo sido uma coincidência fechar o contrato por alturas da Eurovisão. “O Salvador Sobral tem um disco absolutamente fantástico”, salientou, frisando que é por esse facto e não por ter vencido o concurso europeu que vai estar em Torres Novas.

O concerto de Salvador Sobral tem sido de resto o grande anúncio dos últimos meses. A vereadora Elvira Sequeira adiantou que os bilhetes foram colocados à venda mais cedo devido às muitas solicitações e que o espetáculo está quase lotado.

Na vertente da música nacional, além do espetáculo com Salvador Sobral, estão agendadas as atuações de Cristina Branco, que apresentará o seu disco “Menina” a 14 de outubro, e de Ana Moura, a 9 de dezembro, com o disco “Moura”.

A banda francesa Nouvelle Vague, que estará em Portugal em outubro para concertos em Lisboa, Porto e Coimbra, vai atuar em Torres Novas no dia 28 de outubro para assinalar os 61 anos do Virgínia, apresentando Marc Collin e Olivier Libaux o seu quarto longa duração “I Could be Happy”.

No teatro, a Mala Voadora vai apresentar “Moçambique” no próximo dia 30, a partir da narrativa construída por Jorge Andrade “para o que poderia ter sido essa vida que não lhe calhou”, refere a agenda.

A 21 de outubro, o Teatro do Eléctrico apresenta “um dos grandes dramaturgos do século XX”, o argentino Copi, na peça “A Noite da Dona Luciana” e, a 02 de dezembro, João Garcia Miguel “regressa com um dos mais importantes nomes do novo circo na Europa”, João Paulo Santos, com o espetáculo “Mundo Interior”.

Para 25 de novembro está agendado “Olhar de Milhões”, de Raquel Castro, um espetáculo “de apoio a criadores emergentes da Rede 5 Sentidos”.

Na dança, Rui Horta apresenta, no dia 7 de outubro, o seu solo “Vespa”, estando agendado para 04 de novembro o espetáculo “Terça-feira: Tudo o que é sólido dissolve-se no ar”, de Cláudia Dias.

O Serviço Educativo/Lab Criativo abre, de 21 a 23 deste mês, com “Bianca Branca”, da coreógrafa e bailarina Leonor Keil, inspirado no conto “Bianca”, de Fausto Gilberti, direcionado às escolas e às famílias, prosseguindo, a 23 e 24 de outubro, com “Histórias de Corpo Inteiro”, das atrizes Catarina Requeijo e Manuela Pedroso.

Nos últimos dias de outubro e primeiros de novembro, Graeme Pulleyn e Fernando Giestas levam às escolas “E tu Camões, não dizes nada?”, numa leitura dos Lusíadas “pelo prazer de escutar os sons, os ritmos, as emoções, pelo prazer de sentir as palavras na boca, de as saborear, mastigar, cuspir…”.

Nos projetos com a comunidade, o Teatro Maior de Idade estreia, a 10 e 11 de novembro, uma peça a partir do texto “O Cerejal”, de Anton Tchékhov, com encenação de Rafaela Santos e Fernando Giestas e dramaturgia da companhia Amarelo Silvestre.

Em paralelo com o programa de espetáculos, decorrerão oficinas e ‘masterclasses’, iniciando-se, dia 4 de outubro, o trabalho do Grupo Juvenil de Teatro do Virgínia, há 10 anos associado ao projeto “PANOS” da Culturgest, e o Atelier Teatral dos Miúdos, e estão abertas, até 22 de dezembro, as inscrições para o Grupo de Teatro Maior de Idade.

Os bilhetes para os espetáculos estarão à venda a partir de terça-feira, disponibilizando o Virgínia cartões de temporada ou anuais, adiantou a organização.

O mediotejo.net questionou Rui Sena e a vereadora Elvira Sequeira sobre as potencialidades que pode oferecer agora o Convento do Carmo em termos de espetáculos. O diretor artístico explicou que haverá sempre a intenção de realizar espetáculos alternativos que possam usufruir do espaço do Convento, mas que este tem as suas limitações. “Vamos construindo sempre esse espaço consoante o que for possível fazer”, referiu.

Para já, é no Convento do Carmo que vão decorrer as masterclasses com dança contemporânea, teatro, cenografia e dramaturgia.

c/Lusa

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.