Planos, o Festival Internacional de Curtas-Metragens regressa a Tomar com uma seleção oficial de 39 curtas-metragens. Foto: Paulo Martinho

O Cineteatro Paraíso, em Tomar, vai receber, de 23 a 27 deste mês, 39 curtas-metragens, 25 das quais a concurso, na sexta edição do Planos – Festival Internacional de Curtas-Metragens de Tomar. Com cinco sessões competitivas e 25 filmes de 13 países a concurso, a programação inclui, igualmente, quatro sessões especiais, uma dedicada ao público infantil, o “Planinhos”, este ano “em dose dupla”, nas manhãs de quinta e sexta-feira (24 e 25).

São 25 os filmes que vão estar em competição, sendo que entre o total de 13 países, Portugal é o mais representado com seis curtas-metragens, seguindo-se Espanha com cinco, França, Brasil, Itália e Estados Unidos da América com duas produções e México, Nova Zelândia, Kosovo, China, Alemanha, Macedónia e Finlândia com uma.

A abertura do festival é assinalada com um concerto, no dia 23 (21h30), sendo que o responsável pela animação é o Rapaz Improvisado, alter-ego de Leonel Mendrix, “que nos irá trazer uma viagem musical através dos filmes que marcaram a história do festival”, refere-se em nota de imprensa.

Para a noite de dia 24 de novembro está programada uma sessão especial com a presença de Pedro Fernandes Duarte, produtor de cinema e fundador da produtora Primeira Idade, produtor de “A Metamorfose dos Pássaros” (2020), filme escolhido pela Academia Portuguesa do Cinema como candidato português aos Óscares de 2021. Também nesta noite são apresentados os filmes “Ruby” (PT), “As Sacrificadas” (CH/PT) e By Flávio (PT/FR).

O dia 25 vai contar com três sessões competitivas, uma às 16h30, outra às 18h30 e a última às 21h30. Na primeira são apresentados os filmes “Bahamas” (IT), “Oblívio” (PT), “North Pole” (MK), “2020: Odisseia no 3o Esquerdo” (PT) e “Datsun” (NZ), enquanto na segunda vão estar a concurso as curtas “Text Me When You Get Home XX” (DE), “Antonia” (ES), “Cemitério Vermelho” (PT), “Isole Ciclopi” (IT), “The Sleep of the Dogs” (ES).

“A Rapariga de Saturno” (PT), “Todos os Rostos que Amo se Parecem” (BR), “A World Free of Crisis” (FR), “Hair Tie, Egg, Homework Books” (CN) e “Work It Class” (ES), por sua vez, são as curtas que vão entrar em cena no Cine-Teatro Paraíso na última sessão do dia 25.

Dedicado aos mais pequenos, o Planinhos vai estar de volta e em dose dupla nas manhãs (11h) dos dias 24 e 25, onde vão ser apresentados, em ambos os dias, os filmes “Vaca Espacial” (PT), “Amo-te Cigarra” (PT), “Equilibrio” (SG) , “Intervalo” (PT), “Osura” (AR), “Vento de Inverno” (FR), “Boa Noite” (JP) e “Galope” (PT).

No dia 26, a Sessão Especial Leiria Film Fest, marcada para as 15h, conta com os filmes “Branka” (HU), “A Banheira” (ES) e “The Seine’s Tears” (FR).

Na continuação, às 16h30, tem lugar a quarta sessão competitiva, onde figuram “Safe” (US), “Meu Castelo, Minha Casa (PT), “Non Grata” (ES), “For Pete’s Sake” (ES/US] e “Yabá” (BR). Duas horas mais tarde, às 18h30, decorre a quinta e última sessão competitiva, sendo apresentados os filmes “Ditë e Kuqe” (XK), “A Nossa Casa em Chamas” (PT), “4 AM” (FR), “Concertina” (MX) e “Vague” (FI).

Por fim, a entrega de prémios realiza-se no domingo, 27 de novembro, na Central Elétrica de Tomar (Complexo Cultural da Levada).

“Na sua génese, o Planos Film Fest surge como um espaço de reflexão e divulgação de novas produções do cinema em dose curta a nível mundial, da mesma forma que possibilita a oportunidade de novos talentos poderem assim divulgar as suas obras”, lê-se em informação divulgada pela organização.

A mesma nota acrescenta que desde a primeira edição já foram projetadas no festival mais de 180 curtas-metragens, representantes de mais de quarenta países, sendo que “várias dessas obras, já detentoras anteriormente de um percurso invejável por festivais internacionais de renome, encontraram no Planos a sua oportunidade de se estrearem em Portugal”.

“Filmes de todos para todos, é o lema desta sexta edição, que surge em formato manifesto e que se aplica também a todo o background histórico do festival. Numa viagem pelo mundo, o Planos surge como uma janela em que diversos olhares se cruzam, em que conhecemos diversas estórias e observamos diferentes culturas, comunidades e identidades, numa seleção eclética e inclusiva em estilos e temas, que transformam a visão do espectador e o enriquecem. O Planos é drama, mas também é comédia. É fantasia, mas também realidade. É, pois, de todos, para todos”, termina.

No dia 25 de outubro decorreu uma sessão de antevisão, onde foram recordados filmes de edições anteriores deste Festival de Curtas-Metragens e se assistiu a um concerto de jazz improvisado, com André Carvalho e Raquel Reis.

Pode encontrar mais informações AQUI.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *