A realizadora Sofia Teixeira-Gomes com as atrizes Margarida Carpinteiro e Natalina José, nas gravações do telefilme "As Vizinhas" Créditos: RTP

“As Vizinhas” é o título do telefilme com antestreia marcada para segunda-feira, dia 14 de novembro, pelas 21h00, no Centro Cultural Alfredo Keil. Foi em Ferreira do Zêzere que decorreu a rodagem do filme, um dos cinco telefilmes do projeto cinematográfico “Contado por Mulheres”, que conta a história de duas amigas.

O filme é uma adaptação de Ana Brito e Cunha a partir de um conto de Teolinda Gersão (do livro Prantos, Amores e Outros Desvarios) e realizado por Sofia Teixeira Gomes. As protagonistas são conhecidas figuras do teatro e da televisão como Natalina José, Margarida Carpinteiro ou Joana Seixas, entre outros.

No dia 2 de novembro, o presidente da Câmara, Bruno Gomes, esteve no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, na apresentação deste projeto cinematográfico.

Trata-se de uma nova aposta audiovisual da Ukbar Filmes e da RTP, em coprodução com a Krakow Film Klaster (Polónia), que chega ao horário nobre da RTP1 no último trimestre de 2022. Foi integralmente filmada em diversos locais da região Centro, com o apoio inestimável das respetivas Câmaras Municipais, do PIC Portugal e do programa Garantir Cultura.

A cerimónia de apresentação dos cinco primeiros filmes, contou com a presença dos produtores Pandora da Cunha Telles e Pablo Iraola, o Diretor de Programas da RTP1, as realizadoras, atores e atrizes dos primeiros cinco telefilmes e os Municípios de Ferreira do Zêzere, Ovar, Guarda, Covilhã e Torres Vedras, que apoiaram a realização destes filmes nos seus territórios.

No total serão 10 telefilmes realizados por mulheres, algo inédito no audiovisual português e pretende colmatar uma assimetria no acesso das mulheres à realização no meio audiovisual, que tem vindo a ser sido corrigido a nível europeu.

Notícia relacionada

Ferreira do Zêzere | As mulheres que quebraram o silêncio na aldeia de Avecasta gritando “Ação!”

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *