Alcaravela, Sardoal. Créditos: mediotejo.net

A Área Integrada de Gestão da Paisagem (AIGP) – Sardoal I, com uma área de 5.377 hectares, foi já aprovada. As entidades responsáveis pelo processo de desenvolvimento da AIGP Sardoal I são o Município de Sardoal e a entidade a ser constituída futuramente, sendo esta última designada como sendo a Entidade Gestora da AIGP.

As AIGP são dirigidas a contextos microterritoriais com escala adequada para uma gestão florestal ativa e racional e os trabalhos a desenvolver conduzirão à elaboração de operações integradas de gestão de paisagem (OIGP), que definem no espaço e no tempo, as intervenções de transformação da paisagem de reconvenção de culturas e de valorização e revitalização territorial, bem como o modelo operativo, os recursos financeiros e o sistema de gestão e de monitorização a implementar.

O prazo de duração dos trabalhos decorrerá até ao mês de janeiro de 2023, estando a AIGP Sardoal I inserida numa área com cadastro em vigor.

Os proprietários, e demais titulares de direitos reais, bem como os arrendatários têm o direito de participar na elaboração e execução das OIGP e o dever de colaborar em todas as fases do procedimento, designadamente facultando as informações disponíveis necessárias permitindo o acesso aos seus prédios e participando ativamente nas reuniões para as quais forem convocados.

O projeto é financiado pela União Europeia através do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

ARTIGO RELACIONADO:

Sardoal | Município propõe que antigas ZIF passem a fazer parte das Áreas Integradas de Gestão da Paisagem | Médio Tejo (mediotejo.net)

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.