Projeto de reflorestação de Belver aprovado 5 anos depois do fogo. Foto arquivo: mediotejo.net

O segundo projeto de reflorestação em Belver (Gavião), elaborado no seguimento do grande incêndio de 2017, foi aprovado cinco anos depois, anunciou a Associação de Produtores Florestais da Freguesia de Belver. Os incêndios que atingiram no verão de 2017 a freguesia de Belver, no concelho de Gavião, traduziram-se na destruição de 80% da sua área florestal, “aproximadamente 6.000 hectares, muitos palheiros, barracões, alfaias agrícolas, tratores, algumas viaturas e bens materiais”, tendo ainda sido evacuadas 9 aldeias num total de 136 pessoas.

O projeto consiste essencialmente na transformação da ocupação florestal à base de pinheiro bravo e eucalipto para um sistema agroflorestal à base de medronheiro, sobreiro e pinheiro manso, numa área de mais de 220 hectares.

Este projeto, agora aprovado, e o que já se encontra em execução desde 2020, correspondem a um total de 550 hectares de área intervencionada e, por isso, considerados “uma contribuição muito significativa” para a recuperação da área ardida de 2017.

Os incêndios que atingiram em agosto de 2017 Belver traduziram-se na destruição de 80% da área florestal daquela freguesia. Foto: DR

ARTIGOS RELACIONADOS:

Gavião/Incêndios | Freguesia de Belver contabiliza 80% de área florestal queimada | Médio Tejo (mediotejo.net)

Gavião | Projeto ‘Reflorestar Belver’ consegue financiamento para iniciar plantação de 300 mil árvores | Médio Tejo (mediotejo.net)

Gavião | Sociedade civil vai reflorestar 600 hectares de área ardida em Belver | Médio Tejo (mediotejo.net)

Gavião | Belver tem rebanho comunitário de 250 “cabras sapadoras” para proteção da comunidade | Médio Tejo (mediotejo.net)

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *