Cerca de 7300 hectares de área florestal (quase 40% do território) de Vila de Rei foram consumidos pelas chamas em 2017. Foto: mediotejo.net

O Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Catarino, apresenta esta sexta-feira, na Sertã, o Programa de Transformação da Paisagem para a região. A apresentação será feita na reunião do grupo de trabalho, criado em 2019, com a missão de elaborar um plano integrado de transformação territorial para a recuperação da área ardida e a ativação da gestão agroflorestal nos concelhos de Mação, Sertã e Vila de Rei.

O Programa de Transformação da Paisagem dá continuidade à reforma florestal iniciada na anterior legislatura. Constitui-se como um programa de intervenção integrada em territórios vulneráveis, através da alteração nos modelos de ocupação e gestão dos solos e da sua valorização, tornando-os mais resilientes ao risco de incêndio.

Os autarcas dos municípios de Mação (Santarém), Sertã e Vila de Rei (Castelo Branco) manifestaram-se recentemente confiantes de que os seus projetos de transformação da paisagem vão “devolver esperança” ao interior do país e “criar riqueza”.

Aqueles municípios da região do Médio Tejo integram o Plano Integrado de Transformação Territorial (PITT) criado pelo Governo e já apresentaram à tutela projetos-piloto com propostas de transformação da paisagem, visando recuperar a área ardida por grandes incêndios de anos recentes e ativar a gestão agroflorestal.

Notícia relacionada:

Incêndios | Mação, Sertã e Vila de Rei apostam na transformação da paisagem para devolver esperança e criar riqueza

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.