A Câmara Municipal do Entroncamento encerrou em agosto de 2021 a atividade laboral sem licenciamento da Hidrobetão nos antigos estaleiros da Silvério & Melro. Porém, na altura a empresa impugnou a decisão da autarquia. Imagem: CME

Num processo que se desenrola há largo tempo, a atividade ilegal da Hidrobetão, na Rua José Gomes Ferreira, no Entroncamento, foi levada aos órgãos autárquicos por diversas vezes durante o ano de 2021, devido aos “pesados incómodos” para os moradores da zona com “ruídos e vibrações provocadas por violentas pancadas de martelos” resultantes da atividade da empresa.

A laboração da empresa Hidrobetão nos antigos estaleiros da firma Silvério & Melro de forma não licenciada levou a autarquia entroncamentense no último ano a tomar várias posições, desde a deliberação do encerramento da atividade em abril (que foi contestada pela empresa em audiência prévia), à efetiva colocação de placa de encerramento da atividade junto aos estaleiros em agosto (com a empresa a impugnar o ato administrativo contra a autarquia, continuando a laborar).

Perante o braço de ferro entre as duas entidades, e com dois processos de contraordenação contra a empresa, um deles por desobediência, a decorrer, no final de 2021, o Município deu um prazo de 30 dias para que a empresa iniciasse o processo de legalização urbanística, com o aviso de que se tal não acontecesse a empresa seria notificada para a demolição do edificado, com 15 dias para pronúncia por parte da empresa em sede de audiência prévia.

Já recentemente, na reunião do executivo camarário de 19 de abril, o presidente da Câmara Municipal, Jorge Faria, fez um breve ponto de situação quanto a este assunto, dando conta de que a 18 de abril recebeu o responsável da Hidrobetão, ocasião na qual comunicou “que a empresa já tinha cessado a laboração nas instalações do Entroncamento”.

O mesmo responsável ficou ainda de “enviar a documentação comprovativa para se proceder em conformidade”, disse ainda Jorge Faria.

Recorde-se que a empresa Hidrobetão foi recentemente uma das empresas candidatas a um dos lotes do novo Parque Empresarial do Entroncamento, tendo-lhe sido atribuído um desses lotes em hasta pública.

Ana Rita Cristóvão

Abrantina com uma costela maçaense, rumou a Lisboa para se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *