Marcelo Rebelo de Sousa. Créditos: Arlindo Homem

Marcelo Rebelo de Sousa, reeleito para o cargo de Presidente da República neste domingo, ganhou a votação em todos os concelhos do país, sendo o primeiro candidato a conseguir esse feito desde a revolução de Abril de 1974. Superou assim o melhor registo existente: o de Mário Soares em 1991, ano em que se recandidatou a Presidente da República e não conseguiu vencer apenas em nove concelhos, que perdeu para Carlos Carvalhas, apoiado pelo PCP.

Contados todos os votos, Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito com uma percentagem de 60,76%, o que corresponde a 2.533.799 votos. Ana Gomes foi a segunda candidata mais votada, com 12,97% (541.345 votos), e André Ventura ficou em terceiro lugar, com 11,90%, representando o voto de 496.65 eleitores.

A luta pelo segundo lugar esteve renhida ao longo de toda a noite, e André Ventura conseguiu ser o segundo mais votado em 11 dos 18 distritos de Portugal Continental e na Madeira. Ana Gomes venceu André Ventura graças ao voto nos distritos do litoral, com exceção de Leiria, tendo o candidato do Chega alcançado melhores resultados no interior. Leiria foi o distrito onde André Ventura obteve a menor votação (12,5%) e Portalegre aquele onde conseguiu a maior percentagem de votos (20,04%).

Nos 13 concelhos que formam o Médio Tejo, Marcelo Rebelo de Sousa obteve o melhor resultado em Vila de Rei, com 72,47% dos votos. Em São João do Peso, a freguesia com menos eleitores do continente, conquistou 80,65%.

André Ventura conseguiu o segundo lugar em todos os concelhos da região. Foi no Entroncamento que obteve o melhor resultado: 19,03%.

Marcelo Rebelo de Sousa será Presidente da República por mais 5 anos. Créditos: Arlindo Homem

*Com Lusa

Patrícia Fonseca

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.