Fotografia: PSP

Os cinco deputados eleitos pelo Partido Socialista no círculo eleitoral de Santarém “alertaram” o Ministério da Administração Interna para a necessidade de reforçar o número de operacionais da PSP no concelho do Entroncamento, “onde está a crescer o sentimento de insegurança”, e pediram também informações sobre a nova esquadra.

No mês de junho, os deputados receberam a Comissão Permanente da Assembleia Municipal do Entroncamento, cujos autarcas alertaram para o “agravamento da da perceção de insegurança, por parte da população, ainda que isso não se traduza em estatísticas”, algo a que acresce o facto de a atual esquadra da PSP do Entroncamento não apresentar as “condições mínimas de salubridade e segurança”, refere o PS de Santarém.

Agora, ao Ministro da Administração Interna, os deputados dirigiram um “conjunto de perguntas” sobre quais as medidas que vão ser tomadas para diminuir o sentimento de insegurança vivenciado pela população no Entroncamento e se está previsto o reforço de operacionais da PSP e da GNR no distrito de Santarém, sendo que pediram também um ponto de situação sobre o lançamento da empreitada da esquadra da PSP do Entroncamento.

A obra da esquadra da PSP do Entroncamento vai contar com um investimento de 1.3 milhões de euros, estando o projeto de execução concluído e o concurso em fase de lançamento, no entanto “este investimento já foi identificado na lei de programação das infraestruturas e equipamentos para as forças e serviços públicos de segurança, como obra prioritária, mas ainda não avançou”, diz a Federação Distrital de Santarém do PS.

No distrito de Santarém a PSP perdeu cerca de 30 efetivos desde 2020, algo que “torna urgente o reforço de operacionais nos concelhos onde esta força de segurança tem abrangência, em particular no Entroncamento”, defende ainda o PS de Santarém.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Portugal deveria ter uma força policial civil (idealmente a PSP) com pelo menos 103.100 pessoas (+/- 1% da população). Menos que isto não é possível prestar um bom trabalho de facto, a nível de presença dissuasória.
    Acrescente-se a necessidade de alterar as penas dos tribunais para retirar da sociedade todos os elementos que tenham na criminalidade a sua “carreira”/ “vocação”/ “tendência”/ “inclinação”, eventualmente matando as pessoas irrecuperáveis (portanto: inúteis), e mantendo as restantes presas até serem dadas como de facto recuperadas, assim será certamente possível restaurar a paz social.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.