Foto: PrebenGammelmark, Pixabay

Sobre a história da minha aldeia não há registos dignos de nota, feitos de grande monta, sequer notas de rodapé em qualquer livro secular, muito menos monumentos ou lápides. Escondida num vale, horizonte incerto, mal servida de estradas e vergada sob o peso da terra, ficar e sobreviver foi desde sempre o maior feito dos seus habitantes.

Ao longo dos anos, só a oralidade e a transmissão do saber têm perpetuado a memória de outros tempos, porventura mais tristes e desgraçados, embora se conversasse mais, se cantasse mais, se assobiasse e dançasse muito.

Tirando um médico, nada faltava na minha aldeia antigamente. Tudo lá havia, mais ou menos, incluindo pobreza e miséria. Cabeços e hortas tinham e geravam vida, riqueza quanto bastasse. Novos e velhos eram muitos, animais também, menos eram as casas, as telefonias, as bicicletas.

Os carreiros, azinhagas e caminhos eram percorridos a pé, quase sempre por pés descalços, menos vezes por sapatos ou tamancos, ainda que velhos e remendados. Não havia iluminação pública, não havia saneamento básico e não havia, aparentemente, grandes razões de queixa.

As mulheres pariam em casa, sabe Deus como, tantas vezes sozinhas e sem qualquer apoio médico. Os homens, esses, não perdiam a jorna no dia do nascimento de mais um filho e não iam a correr à vila fazer o registo. Só por doença grave não iam ao ganha-pão e só por doença grave vinha o médico a casa, que o tempo não era para essas mordomias e tudo o mais se arremediava. E havia entreajuda.

Na loja do Silvestre nada faltava, nem sequer os tecidos ‘da moda’, estampados para todos os gostos, chitas e popelinas para blusas, cotim para umas calças, fazenda para alfaiates e costureiras trabalharem com mestria. Nas prateleiras, mercearias várias,guloseimas para a cachopada, tabaco para os homens e tudo o que era essencial para a casa.

Em tempos, a minha aldeia teve também um sapateiro, um alfaiate, um barbeiro, uma afamada cozinheira, um cesteiro e gateiro, um carpinteiro, um ferrador, vários moleiros e pastores, e até um ‘professor’. A necessidade aguçava o engenho e a solidariedade fazia o resto.

Entretanto chegou a água canalizada e a eletricidade, e depois a internet. Já não há arados nas hortas nem badalos nos montes, ferraduras para substituir ou sapatos para remendar. Na minha aldeia, são agora poucos os rebanhos e poucas as pessoas, restam apenas as memórias e os utensílios desses tempos.

Testemunho de uma época ainda não muito distante, são objetos mudos de um tempo com tanto para contar, mas que muitos já não reconhecem, não sabem para que serviam ou como funcionavam.

Para esses, e para todos aqueles para quem o conhecimento não estorva nem ocupa lugar, aqui fica uma sugestão cultural: está patente até ao final deste mês na Casa da Cultura da Sertã a exposição Profissões de Antigamente, uma mostra – nascida na minha aldeia há dois anos – que inclui fotografias e ferramentas, estórias e memórias das profissões da aldeia de Queixoperra.

Lá estão a dobadeira da Lorena, os livros e a ardósia do Jerónimo Alves, o serrote e o formão do João Sabino, os cestos de vime do Zé ‘Croado’, os alqueires e a mó do Ricardo Marques, a loiça da boda da Lúcia Casola, a balança do Silvestre, e muitos outros pequenos objetos capazes de contar, esses sim, a história da minha aldeia. Vale a pena passar lá.

Berta Silva Lopes

Define-se como uma mulher da aldeia a viver na cidade, assim uma espécie de amor para sempre por uma e amor à primeira vista pela outra. Gosta de Lisboa e tem Queixoperra no coração. Casada, com duas filhas, trabalha em Comunicação e Marketing há quase 20 anos e com escritores há 10. Não vive sem livros. Gosta de jazz e de música instrumental. Adora o cheiro da terra molhada, do arroz-doce acabado de fazer e do poejo fresco. Não gosta de canela, nem de favas, nem de bacalhau com natas. Troca facilmente a praia pelo campo. Sente-se sempre muito feliz em cozinhas grandes e cheias de luz. Cozinhar é uma terapia e gosta de experimentar pratos novos quando recebe amigos em casa – para grande ansiedade do marido, mas nada que os bons enchidos, o queijo e a broa de milho da sua aldeia não resolvam. Gosta de boas conversas regadas com vinho tinto. Como diz a sua querida Helena Sacadura Cabral, gosta dos pequenos prazeres da vida. E gosta de gostar disso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.