Ano Novo 2023. Foto: DR

Ele avança inexorável, o Mundo de todos os mundos prepara-se para o receber, os possidentes mandam engomar as fatiotas, reservar comidas e bebidas dignas dos sibaritas esquisitos, de uma forma ou outra aguarda-se a entrada com o pé direito (dizem que dá sorte) no referido Ano Novo.

Manda a prudência não tecer loas, hossanas e cânticos ao neófito pois os tempos não estão fáceis para a esmagadora maioria das populações, porque alguns filhos da pauta (muitas saudades do programa) tudo dizem e fazem para nos preocuparmos com o nosso dia-a-dia e os anos que hão-de dar vida aos nossos descendentes.

O quase recém-chegado Ano Novo se conseguir apaziguar os conflitos existentes já merecerá elogios, se reduzir a guerra na Ucrânia a efeméride do passado justifica amplamente o Prémio Nobel da Paz, guloseimas até à sua finitude, além de memoriais para todo o sempre. É pedir muito ao ora menino Ano Novo? Não, claro que não!

O tempo de optimismo que polvilhava os meus escritos esvaiu-se, por isso critico muito as palavras sumarentas de António Costa pois pingam grossas gotas de chuva no nabal e sol na eira ao mesmo tempo, esquecendo os milhões de pobres, os que são compelidos a emigrarem em busca de melhores condições de vida, das chagas purulentas do SNS, de estarmos nos últimos lugares no ranking de riqueza e desenvolvimento da Comunidade Europeia.

Não adianta fecharmos os olhos para nos defendermos da poeira que os governantes sopram, qual areia dourada vinda do deserto fruto do petróleo e gás natural que negociamos enquanto não chega o elixir do secretário de Estado de apelido Galamba.

Em face do acima exposto, muitas reticências ao noviço esperando sucessos na sua vida de 12 meses.

Feliz Ano Novo, como escreveu o genial Rubem Fonseca!

Armando Fernandes

Armando Fernandes é um gastrónomo dedicado, estudioso das raízes culturais do que chega à nossa mesa. Já publicou vários livros sobre o tema e o seu "À Mesa em Mação", editado em 2014, ganhou o Prémio Internacional de Literatura Gastronómica ("Prix de la Littérature Gastronomique"), atribuído em Paris.
Escreve no mediotejo.net aos domingos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *