Expopele de 2019 decorreu no Museu do Curtume. Foto arquivo: mediotejo.net

O município de Alcanena vai transformar o Museu do Curtume no “Arquivo e História Local de Alcanena”, sendo que o museu irá mudar para outro espaço, integrando um projeto que o atual executivo tem em vista desenvolver. A informação foi dada a conhecer na última reunião de executivo, na qual foi ainda confirmada (com o voto contra do PS) a decisão de revogar a concessão do Bar/Restaurante dos Olhos de Água.

Conforme foi dado a conhecer na reunião de executivo de segunda-feira, dia 16 de maio, e como Rui Anastácio (Cidadãos por Alcanena) referiu em conversa com o nosso jornal, o executivo encontra-se a trabalhar naquilo que será o Museu do Curtume – projeto que nunca chegou a avançar durante vários anos devido à ausência de recursos humanos e de financiamento – mas não para o instalar no espaço onde este se encontrava.

Esse local vai antes ser adaptado para lá se constituir o arquivo municipal designado “Arquivo e História Local de Alcanena”. O futuro museu vai assim integrar o projeto “Couros”, que se encontra a ser trabalhado pela autarquia, e que pretende vir a ser “uma das âncoras do concelho”, disse Rui Anastácio, nomeadamente ao nível do turismo industrial, mas não só, tendo também como ambição estabelecer a “ponte e criando espaços” para novas empresas, nomeadamente empresas ligadas às indústrias criativas.

Sendo um projeto ainda “um bocadinho prematuro”, o presidente do município alcanenense não quis adiantar muita informação, até porque o executivo encontra-se neste momento “ainda numa fase de negociação com os atuais proprietários dos dois espaços”.

O que foi à Câmara foi, portanto, a aprovação de uma “estratégia”, um “plano de trabalho”, explicou Rui Anastácio, pelo que “agora é por mãos à obra”, completou.

Na mesma reunião foi ainda confirmada a decisão de revogar a concessão do Bar/Restaurante dos Olhos de Água, numa deliberação que contou com o voto contra do PS, deu ainda conta o autarca. “Em coerência com o que já tinha votado, embora concorde connosco que a gestão daquele espaço e que o estado daquele espaço está uma lástima e que concessionar aquilo daquela maneira não nos dá garantias nenhumas”, disse Rui Anastácio.

Já a estratégia que o atual executivo pretende para o espaço, na opinião do autarca eleito pelo Cidadãos por Alcanena é “clara”: “vamos entregar um plano de requalificação do lado da praia, estamos a negociar com o ICNF a possibilidade de lançarmos um concurso para selecionarmos um investidor para fazer um ecodesign hotel com 49 camas e um novo restaurante com 100 lugares. É essa a estratégia que, pensamos nós, alavancará o desenvolvimento económico do concelho, trará gente ao concelho, trará gente com poder de compra ao concelho, e requalificará aquele espaço como aquele espaço merece”, explicou.

O autarca é da opinião que é necessário um concessionário que respeite o espaço, algo que os concessionários que “por ali passaram não fizeram, antes pelo contrário”.

“Queremos que quem explora aquele espaço tenha, desde logo, uma postura de valorização do próprio espaço. Uma boa qualidade de serviço, e depois também preços concordantes com isso”, afirmou.

Rui Anastácio (Cidadãos por Alcanena), presidente da Câmara Municipal de Alcanena, sobre a confirmação da decisão de revogar a concessão do Bar/Restaurante dos Olhos de Água.

Para já, o município está a trabalhar no sentido de garantir os “serviços mínimos” pretendendo colocar “provisoriamente” algum tipo de “street food”, de modo a garantir o serviço aos veraneantes. 

A par da obra do parque de estacionamento que já se encontra a concurso, a autarquia de Alcanena vai também começar a fazer amostras regulares à agua da nascente da ribeira de Amiais, de modo a tentar perceber a razão de por vezes a água da praia ter algumas quebras de qualidade, “embora normalmente a qualidade seja bastante boa da água”, disse o edil.

Estas ações decorrem uma vez que “nós estamos determinados em conseguir que aquele espaço possua bandeira azul”, referiu ainda Rui Anastácio, em jeito de conclusão.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. QUANDO FOI FEITO O RESTAURANTE ERA O RESPONSAVEL,PODIA SER FEITO DOUTRA MANEIRA MAS NÃO QUIS POR TEMOSIA PRÓPRIA E NÃO DO PRESIDENTE DA ALTURA.
    TANTA UTOPIA F ORÇA O DESCARAMENTO OU ESTARÁ INTERESSADO NOUTRO HOTEL PRÓPRIO.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.