Foto: DR

“SOLO – Missão Compostar Alcanena” é o nome do projeto que o município de Alcanena se encontra a desenvolver e que vai passar pela distribuição de compostores domésticos aos munícipes interessados. Relembre-se que até ao final de 2023 os municípios portugueses estão obrigados a implementar um sistema de separação e reciclagem dos biorresíduos, os quais incluem os resíduos verdes (de jardins, por exemplo) e os resíduos alimentares.

A base desta iniciativa assenta assim na distribuição de um compostor doméstico aos munícipes que manifestem interesse na prática da compostagem e que disponham de condições físicas para o efeito. Além do compostor é igualmente entregue um manual prático com as informações essenciais para a sua correta utilização e para a prática da compostagem doméstica.

De forma complementar serão igualmente realizadas campanhas de sensibilização, nas diferentes freguesias e nos jardins de infância e escolas do concelho de Alcanena.

O objetivo deste projeto passa pela “sensibilização dos munícipes para a separação e valorização/reciclagem dos resíduos urbanos orgânicos e biodegradáveis (restos de alimentos, resíduos verdes, outros), contribuindo para a redução da quantidade de resíduos colocada em aterro, por via da utilização da compostagem e da promoção da economia circular”, conforme é referido em informação municipal.

Conforme divulgado na mesma informação, a autarquia de alcanenense disponibilizará mais informação em breve.

O projeto alcanenense enquadra-se no Programa “RecolhaBio – Apoio à Implementação de Projetos de Recolha Seletiva de Biorresíduos”, financiado pelo Fundo Ambiental, através da CIMT (Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo), o qual visa “financiar investimentos que tenham um contributo positivo para o aumento da quantidade e qualidade da reciclagem dos resíduos, com particular ênfase nos biorresíduos, promovendo a redução da deposição de resíduos em aterro e, subsidiariamente, a sensibilização dos utilizadores para melhorar as suas práticas”.

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *