Ilustração: Paulo Alves

A milenar Oliveira do Mouchão, situada na freguesia de Mouriscas (Abrantes) vai ser homenageada em exposição que abrirá portas ao público na sexta-feira, dia 20 de janeiro, às 17h00. A mostra vai estar patente na Biblioteca Municipal António Botto até ao dia 1 de abril.

A exposição “Oliveira do Mouchão, monumento vivo” resulta do livro Oliveira do Mouchão, Monumento Vivo, uma edição municipal da autoria de Francisco Lopes (texto) e Paulo Alves (ilustrações).

A cerimónia de lançamento do livro decorreu a 28 de outubro de 2022, nas instalações da SIFAMECA, em Mouriscas. O mediotejo.net esteve presente na sessão, onde Francisco Lopes explicou as razões que o levaram a “querer escrever este livro”, nomeadamente a sua “quase veneração pelos seres vivos que são as árvores.

As árvores são a base da vida na terra”, disse, lembrando o pensamento de alguns cientistas a propósito das alterações climáticas: “só as árvores nos poderão salvar”.

“Está nas Mouriscas, no fim de uma rua, no começo do campo. É uma árvore que nos fala de transcendência, do tamanho da natureza. Quando olhamos bem para ela, sentimo-nos insignificantes”. Foi desta forma que o escritor José Luís Peixoto falou sobre a Oliveira do Mouchão – com 3350 anos – e foi a frase escolhida por Francisco Lopes para iniciar o livro sobre uma árvore que faz parte do património abrantino.

Oliveira do Mouchão. Foto: CMA

“Que se saiba, a oliveira do Mouchão é a árvore mais antiga da Península Ibérica e uma das mais velhas do mundo. Tem agora 3355 anos e não há nenhum palácio, nem castelo, no nosso país, que seja mais antigo. Além disso é um monumento vivo, capaz de transmitir aos humanos a noção da sua verdadeira dimensão face à grandiosidade da natureza. Ela assistiu às mudanças do mundo ao longo desses mais de três mil anos e talvez seja o primeiro testemunho vivo da cultura do azeite em Portugal, nos primórdios da chegada dos fenícios. Num concelho em que o azeite é um forte elemento cultural, ela pode ser a árvore simbólica de todos os abrantinos”, lê-se na informação divulgada.

A inauguração da exposição vai acontecer pelas 17h00 do dia 20 de dezembro, sexta feira, e a mesma vai estar patente até ao dia 1 de abril do corrente ano. Mais informações e contactos AQUI.

Jéssica Filipe

Atualmente a frequentar o Mestrado em Jornalismo na Universidade da Beira Interior. Apaixonada pelas letras e pela escrita, cedo descobri no Jornalismo a minha grande paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *