Foto: mediotejo.net

António Sampaio da Nóvoa – professor que confessou gostar de pensar na escola como “uma grande biblioteca” – esteve na Escola Secundária Dr. Manuel Fernandes, em Abrantes, onde apresentou uma comunicação subordinada ao tema “A Metamorfose da Escola”. A ideia principal centra-se em três verbos: “proteger”, “transformar” e “valorizar” as escolas e os seus intervenientes.

Em primeiro lugar, Sampaio da Nóvoa, que concorreu às eleições presidenciais de 2016, afirmou que é preciso proteger as escolas, uma vez que estes espaços “são instituições únicas insubstituíveis para educar as crianças”, mas que para isso também é necessário “transformar”:

“As escolas precisam de se transformar, precisam de ter outras dinâmicas, outros ambientes educativos, onde seja possível trabalhar em conjunto, trabalhar em comum, pessoas diversas, crianças diversas, turmas diversas, professores em colaboração, uma nova dinâmica educativa que se carateriza por um novo ambiente educativo”, defendeu o professor natural de Valença.

Para construir estes novos ambientes educativos, no entanto, é também preciso valorizar. Valorizar os professores, dando-lhes condições “para que eles possam atuar com autonomia e liberdade, para que possam criar, fazer experiências, iniciativas e inovações que possam ir além da escola que conhecemos e que possam contribuir para a sua transformação”, disse Sampaio da Nóvoa ao nosso jornal.

Foto: mediotejo.net

Na sua intervenção, o ex-candidato a Presidente da República, que recolheu mais de um milhão de votos, reforçou em larga medida a importância da autonomia e liberdade, bem como a da confiança, que lhes está subjacente: “quando confiamos, a grande maioria das pessoas responde a essa confiança”, afirmou.

Estas considerações foram apresentadas no sábado, dia 30 de abril, a propósito do VII Encontro Regional de Associações de Pais e Encarregados de Educação, evento organizado pela FAPOESTEJO (Federação Associações Pais do Oeste, Lezíria Tejo e Médio Tejo) e que teve por mote “Onde pára a Escola?”, colocando os temas educativos em cima da mesa nos dias 29 e 30 de abril em Abrantes, cidade responsável por acolher a edição deste ano.

A sessão contou com um período de interação, onde Sampaio da Nóvoa respondeu às questões do público presente. Foto: mediotejo.net

Sobre a iniciativa, Sampaio da Nóvoa considera-a “muito importante”, principalmente porque esta junta pais, professores e alunos, e “nós precisamos de pensar em conjunto, de pensar uns com os outros, de refletir em comum uns com os outros sobre os caminhos da educação”, disse.

“A educação não pertence a ninguém, pertence a todos, e esta ideia de conseguir instaurar aquilo que eu designo por um espaço público da educação, um espaço de conversas, um espaço de diálogos, um espaço de partilhas, é absolutamente central para encontrarmos os melhores caminhos de futuro para a educação, para as nossas escolas e para a educação das nossas crianças”, defendeu ainda o convidado da sessão.

Rui Pires, presidente da FAPOESTEJO, explicou ao mediotejo.net que o objetivo deste encontro é simples: “pretende envolver as associações de pais e pretende evolver toda a comunidade educativa e acima de tudo  criar esta dinâmica de forma a que todos nós consigamos então trabalhar da melhor forma”, explicou, dizendo também que para isso são convidadas as associações de pais e as comunidades de forma a debaterem-se novas ideias e novos horizontes para a educação.

O VII Encontro Regional de Associações de Pais e Encarregados de Educação foi pautado por alguns momentos culturais. Foto: mediotejo.net

“Uma pessoa muito à frente” em relação à questão da educação, é assim que Rui Pires encara Sampaio da Nóvoa, o qual considera que “traz sempre para nós grandes ideias e novas abordagens”, criando, questionando e apresentando essas ideias, “de forma muito reta, muito direta e muito cordial”.

Considerando que a FAPOESTEJO está a crescer – e apontando como prova disso o facto de precisamente na manhã do dia 30 de abril ter assinado um protocolo com o Instituto Politécnico de Tomar – Rui Pires considera que o facto de a federação representar três comunidades intermunicipais (Oeste, Lezíria do Tejo e Médio Tejo) levanta “grandes ideias e grandes desafios”, pelo que abre a porta um desmembramento e à criação de mais federações.

“Estamos prontos para desmembrar e criar mais federações”, garantiu Rui Pires, deixando desde logo o desafio ao município abrantino e garantindo que o apoio está garantido: “a FAPOESTEJO ajuda a congregar todos estes municípios em prol do movimento associativo parental, de maneira a que a gente possa debater a educação e estarmos todos juntos”, afirmou.

A FAPOESTEJO pretendeu que esta iniciativa consistisse “numa tentativa de debater o que está bem, menos bem e o que pode ser feito para melhorar a qualidade de ensino em Portugal, contribuindo de forma clara para que o sucesso das crianças de jovens seja uma realidade, bem como a satisfação dos professores e de toda a comunidade”.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.