Mação tem mais 4 rotas homologadas, sendo os percursos pedestres um dos cartões de visita do concelho. Foto: Joaquim Diogo

Este verão, e depois das primeiras rotas terem sido homologas em 2020 pela Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP), Mação chega assim aos quase 160 km de trilhos pedestres entre serras, lagoas, cascatas e quedas de água, ribeiras, aldeias, azenhas e moinhos. Todos os percursos assinalados e prontos a serem percorridos por todos os que se deixem imbuir do espírito de aventura e da sensação de liberdade.

As cartas de homologação emitidas pela FCMP são certificados de qualidade cuja atribuição obedece a exigências relativas ao traçado, marcação e manutenção dos percursos pedestres, nomeadamente no que diz respeito à segurança dos praticantes e à preservação do ambiente. A Associação Rotas de Mação caminha assim a passos largos para a homologação do total de 14 percursos pedestres que propôs marcar e oficializar quando iniciou atividade num grupo de cerca de 40 voluntários, numa ideia nascida em 2018.

DESCRIÇÃO DAS 4 ROTAS AGORA HOMOLOGADAS:

PR6-MAC-ROTA DA AMÊNDOA

Com início e fim no mesmo local, este trilho circular engloba grande parte da freguesia que lhe dá o nome. Trata-se de um itinerário rural com vários séculos de história e enorme riqueza cultural e geológica. O famoso Poço Mourão, lugar de visita obrigatória, sobretudo na época das chuvas, será para muitos o ex-libris desta rota, mas há muito mais para descobrir, a começar desde logo pela Serra da Amêndoa e pelas quase duas dezenas de aldeias que se espalham à sua volta.

As Rotas de Mação têm inúmeros pontos de água e cascatas sempre prontos a surpreender os visitantes. Fotografia: Joaquim Diogo

Com quase 40 km2 de área, a freguesia da Amêndoa apresenta uma biodiversidade singular e um convite irrecusável para um passeio demorado pelas ancestrais Terras de Amíndula.

PR8-MAC-ROTA DOS ENVENDOS

A Rota dos Envendos também poderia denominar-se Rota dos Miradouros, e não é à toa que este é um dos trilhos mais exigentes de Mação, é que desfrutar das vistas assombrosas de lugares como o Castelo Velho da Zimbreira ou Moita da Asna exige esforço e perseverança, mas com vistas de tirar o fôlego.

Pego da Rainha, em Mação. Fotografia: Paulo Jorge de Sousa/mediotejo.net

Embora o Pego da Rainha seja o ponto mais conhecido deste trilho, as paisagens que o compõem são todas verdadeiramente arrebatadoras e por isso merecem ser tão conhecidas quanto a famosa cascata.

Com princípio e fim da Praça da República, bem no coração de Envendos, e com passagem por algumas das aldeias da freguesia com o mesmo nome, nomeadamente a Zimbreira, esta é uma Rota para os caminhantes mais corajosos e aventureiros.

PR9-MAC-ROTA DO PENHASCOSO

A Rota do Penhascoso estende-se ao longo de um extenso e verdejante vale atravessado todo ele pela Ribeira do Coadouro, o principal fio condutor deste trilho. Ao longo do trajeto, a água é uma presença constante, sendo inúmeros os locais que convidam a um contacto próximo com a natureza.

A Rota do Penhascoso estende-se ao longo de um extenso e verdejante vale atravessado todo ele pela Ribeira do Coadouro, o principal fio condutor deste trilho. Foto: Rotas de Mação

O percurso começa e termina no Jardim do Fundão, no centro da pitoresca aldeia de Penhascoso, rica em património cultural e paisagístico. O coreto, as várias capelas e fontanários, assim como a Igreja de Nossa Senhora do Pranto e a Torre do Relógio, além do casario, bonito e cuidado, merecem um olhar atento e demorado antes (ou depois) da caminhada.

Com apontamentos que relembram, aqui e ali, vidas dedicadas ao campo, ao gado e ao pinhal, este é um trilho vincadamente rural, onde se destacam, de resto, alguns campos ainda cultivados, pequenos rebanhos e paisagens bucólicas.

PR10-MAC-ROTA CARDIGOS PRAIA

Composta maioritariamente por caminhos rurais, esta é uma rota com apenas 10km, de formato circular e baixo grau de dificuldade. A Praia Fluvial de Cardigos, uma das mais procuradas na região do Médio Tejo durante a época balnear, marca o seu início e fim e será, para muitos, o ponto alto de todo o percurso, especialmente se estivermos na época quente e a caminhada terminar com um mergulho refrescante.

Praia Fluvial de Cardigos. Foto: Joaquim Diogo

Todavia, o percurso inclui outros pontos de interesse, todos eles suficientemente interessantes e apelativos para justificar a pequena caminhada. É o caso do centro histórico de Cardigos, tão bonito e sempre cheio de vida, dos vários fontanários localizados em aldeias distintas e das deslumbrantes paisagens naturais. Todos eles merecem ser apreciados ao ritmo da caminhada, sem pressas, conforme as necessidades e expectativas de cada um.

Em Cardigos encontrará ainda vestígios de uma natureza selvagem e resiliente, recantos encantadores e paisagens campestres que proporcionam verdadeiras viagens no tempo.

Rotas de Mação – Caminhos na natureza para a divulgação do território

O trabalho promovido pela Associação Rotas de Mação, em articulação com a Câmara Municipal de Mação, resulta de uma aposta de Mação na promoção da prática desta modalidade desportiva e, paralelamente, de divulgação do seu território e do seu património. O acompanhamento dos trabalhos pode ser feito através das redes sociais e também no site das Rotas de Mação (AQUI)

A Entidade Pública Promotora Principal é o Município de Mação, que suporta o custo da sinalética, bem como do processo de homologação. O Município de Mação suporta também os custos inerentes à adequação dos percursos, com Infraestruturas e desmatações por exemplo, necessário ao bom usufruto dos mesmos e condição para a sua homologação.

As outras Entidades Públicas da área geográfica destes Percursos são a União das Freguesias Mação, Penhascoso e Aboboreira, Junta Freguesia de Envendos, Junta Freguesia da Amêndoa e Junta Freguesia de Cardigos.

Notícia relacionada:

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.