Rota dos Túneis - La Fregeneda _ Barca D' Alva - iniciativa da associação Rotas de Mação. Foto: José Gonçalves

A caminhar a passos largos para a homologação do total de 14 percursos pedestres que propôs marcar e oficializar quando iniciou atividade num grupo de cerca de 40 voluntários, numa ideia nascida em 2018, a associação Rotas de Mação quer agora ir mais longe na promoção e dinamização turística do concelho, num trabalho de colaboração com os seus parceiros, onde se incluem, entre outros, o Município de Mação e Juntas de freguesia. Em cima da mesa estão ideias como a criação de uma Grande Rota BTT, baloiços com vista de tirar o fôlego e um passaporte que permita assinalar cada descoberta e cada lugar visitado.

A meses de assinalar os 2 anos de criação oficial da associação, as Rotas levaram o seu espírito além fronteiras, numa atividade de team building, carregando a alma e o espírito maçaenses como força motriz para percorrer a Rota dos Túneis do «Camino de Hierro», entre La Fregeneda (Espanha) e Barca d’Alva (Portugal).

A Associação Rotas de Mação é um projeto já consolidado no concelho de Mação, com resultados visíveis no terreno e cujo propósito assenta na dinamização das rotas e trilhos pedestres e no cultivar da estreita colaboração e missão voluntária entre maçaenses, simpatizantes do concelho e instituições e entidades em prol de um objetivo comum: valorizar e preservar o que Mação tem de bom.

Rota dos Túneis – La Fregeneda _ Barca D’ Alva – iniciativa da associação Rotas de Mação. Foto: José Gonçalves

O trabalho dos últimos anos tem atraído milhares de visitantes ao território, por via de caminhadas, eventos desportivos e iniciativas culturais e de lazer que promovem a descoberta da natureza e do património local, e a associação já sente o peso nos ombros quanto a essa responsabilidade.

A 24 de abril, domingo, foi promovida uma viagem de autocarro de Mação até Espanha, para um convívio de team building, além fronteiras. O objetivo passaria também por cumprir com o reforço do espírito de equipa da associação e preparar as jornadas que se avizinham.

Num grupo de cerca de 30 pessoas, desde elementos das Rotas e outros parceiros que foram participando em atividades e apoiado na dinamização de projetos, decorreu aquela que é uma caminhada de cariz anual que a associação pretende realizar sempre com o intuito de conhecer exemplos de dinâmica e valorização dos recursos e património, ao mesmo tempo que se promove o convívio, a partilha e interação em contacto com a natureza.

Uma saída pela madrugada, com partida pelas 3h00 da manhã no autocarro da autarquia, com o slogan Mação Verde Horizonte bem patente, onde a boa disposição e o frenesim pelo que viria eram evidentes. Após algumas horas de viagem, entre montes e vales, chega-se ao ponto de partida. O relógio rondava as 7h30, a aventura iria começar após o briefing.

Em La Fregeneda arrancou-se para o “Camino de Hierro”, um trilho pedestre que avança sobre a linha férrea abandonada entre La Fregeneda (Espanha) e Barca d’Alva (Portugal), no Parque Natural das Arribas do Douro, o equivalente espanhol para o Parque Natural do Douro Internacional português.

Conhecido como a Rota dos Túneis e Pontes, numa extensão de cerca de 17 km com 20 túneis e 10 pontes metálicas, muitos com extensões e alturas consideráveis, respetivamente, e onde se observam obras da engenharia civil do século XIX, com muita da escola de Eiffel, a par da paisagem feita de contrastes, ao longo do vale do rio Águeda. Possível observar algumas aves ali habitantes nas ravinas e penedos, como o grifo, o abutre do Egipto e a águia-real.

A viagem permite entrar no ecossistema da Reserva da Biosfera, incluindo passar na escuridão dos túneis que albergam colónias de morcegos em vias de extinção e que ali são protegidos. Profundo silêncio à entrada no desconhecido escondido na penumbra, para depois inspirar bem fundo ao avistar, e à medida que se aproxima, a verdadeira luz ao fundo do túnel.

Um percurso que tem tanto de belo como de vertiginoso, e que acaba por ser também muito ingrato para as pernas, por exigir a constante procura do melhor piso para caminhar entre a linha férrea ou as laterais do trilho. Mas nada disso compete com a vista desafogada sobre as montanhas a recortar o céu no horizonte, pintando verdadeiras telas e permitindo o registo fotográfico em jeito de postais para mais tarde recordar. Presencia-se um horizonte tão verde quanto o de Mação.

Esta viagem permitiu levar o espírito das Rotas de Mação até Espanha e à fronteira portuguesa, não esquecendo o belo repasto com produtos típicos maçanicos, onde não faltaram os bolos amassados, o pão e o vinho caseiros, os enchidos e o presunto, as laranjas, e ainda as iguarias que costumam fazer parte do farnel à portuguesa, com rissóis, pastéis de bacalhau e outros fritos, frango assado, batatas fritas, outros bolos caseiros… e o anunciado salame de chocolate para os mais gulosos, que gerou expectativa durante toda a caminhada – quase tanta como o vinho.

Não faltou ainda o bolo de aniversário surpresa para uma das caminhantes, e a guitarra que veio encorajar as vozes mais tímidas a cantarolar com alegria, embalando a tarde que se preparava para ser de repouso quase absoluto, com muitas sestas batidas nos assentos do autocarro.

Antes da viagem de regresso, com vista para o cais em Barca d’Alva, junto às mesas montadas para o almoço onde acontecia um salutar convívio, Leonel Mourato, presidente da direção das Rotas de Mação, mostrava-se visivelmente agradado e orgulhoso do desfecho da iniciativa, tendo certeza que o espírito e alma da associação são a chave-mestra e o segredo para fazer cumprir com a missão de abrir as portas de Mação ao mundo.

Em declarações ao mediotejo.net, Leonel explicou algumas das ideias e projetos que a associação pretende apresentar às entidades parceiras locais para trabalhar e refletir sobre a viabilidade da sua implementação no terreno.

Leonel Mourato, presidente da Associação Rotas de Mação, em entrevista ao mediotejo.net

Um dos projetos tem que ver com os “best of” de Mação, todos os pontos notáveis e de interesse turístico e patrimonial destacados pela associação ao longo das várias rotas pedestres ou imediações dos trilhos das mesmas, desde miradouros, cascatas, ribeiras e outros.

Para os próximos três anos, a associação pretende propor ao Município de Mação e Juntas de freguesia para desenvolver no território, nomeadamente a colocação de diversos baloiços na «Rota das Paisagens sem fim» e que servirá a conclusão de um puzzle. “Ao visitar os vários baloiços vai preenchendo uma peça, e quando estiver completo, poderá ter direito a um prémio, que ainda teremos de discutir. É um projeto que estamos a idealizar ainda”, explicou.

“O objetivo é que o caminhante percorra Mação e colecione visitas a esses pontos em destaque, aproveitando os percursos pedestres marcados”, indicou.

Nesta senda, pretende instituir-se a Grande Rota das Montanhas Azuis para a prática de BTT, que “ligará todos estes pontos entre si”, sendo que a rota de btt passará sempre nestes locais.

Leonel Mourato, presidente da associação Rotas de Mação. Foto: Conceição Ribeiro

Por fim, consolidando estas novas ideias, pretende-se avançar com o lançamento do passaporte Rotas de Mação, em suporte impresso. “Um projeto que sempre tivemos desde início, só que nunca conseguimos pôr em prática. Será o livro físico, dividido pelas seis freguesias do concelho. Cada junta de freguesia e o município terão carimbo, que será também facultado ao comércio local”, referiu, dando conta que o modelo está pensado mas que está em fase de projeto e carece da aceitação dos parceiros institucionais.

Apesar dos constrangimentos causados pela pandemia de covid-19, que vieram atrasar alguns planos e adiar a calendarização prevista para trabalhos e iniciativas no terreno, a associação espera até junho conseguir fechar o percurso PR-10-MAC – Cardigos Praia, seguindo-se os percursos 11 e 12, Rota das Matas e Vale do Ocreza e Rota das Aldeias de Cardigos.

No próximo ano deverão estar concluídos e seguir para homologação os percursos da Rota do Bando do Codes e da Rota de Aboboreira, ambos ainda em projeto.

Rota dos Túneis – La Fregeneda _ Barca D’ Alva – iniciativa da associação Rotas de Mação. Foto: José Gonçalves

Para Leonel Mourato, a associação atingiu “um grau de experiência e visibilidade e de responsabilidade” tal, contando com apoio dos autarcas locais, que hoje já é notória a existência de “um rumo e um projeto de turismo para Mação”.

Visivelmente orgulhoso e ciente do panorama atual, com eventos a acontecerem em quase todos os fins-de-semana no concelho, envolvendo também associações e coletividades, atraindo pessoas e grupos da região e de outros pontos do país, o ortiguense fundador da Associação Rotas de Mação crê num futuro risonho para o concelho.

“Fazemos o nosso caminho de forma própria, não dizemos mal de ninguém, não somos egoístas ao ponto de dizermos que somos os melhores. Fazemos o nosso caminho, achamos ser a nossa maneira para atingir o nosso objetivo. Aquilo que pedimos é que as pessoas que vêm ao nosso concelho se sintam bem, sejam bem acolhidas, e que levem de alguma forma Mação no coração”, concluiu o responsável.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Entre na conversa

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *