Ambulância onde se desencadeou o parto. Foto: DR

Quando for crescido, Miguel Filipe vai ter uma história para contar. O bebé nasceu dentro de uma ambulância à entrada do IC3, logo após ao viaduto, no concelho de Vila Nova da Barquinha, numa prenda de Natal antecipada para os pais, um casal de Torres Novas.

Tudo começou na tarde do dia 20 de dezembro, quando os pais da criança, residentes no concelho de Torres Novas, andavam descontraidamente a passear de carro. Ao passar na zona entre o Entroncamento e Vila Nova da Barquinha, a mãe, com cerca de 20 anos, começa a ter fortes contrações e sinais de parto.

Eram 17:05 quando foi solicitado aos Bombeiros de Vila Nova da Barquinha, via CODU/INEM,  um pedido de emergência para socorro a um parto iminente. De imediato, foi acionada uma ambulância para o local. Quando chegaram, o subchefe Eduardo Teixeira e as bombeiras Joana Forinho e Anabela Rodrigues, constataram que a jovem mãe estava a entrar em trabalho de parto. Ainda passaram a informação da situação ao CODU a pedir ajuda diferenciada como manda o protocolo mas não foi necessária porque o parto desenrolou-se rapidamente, logo após a mudança da parturiente da sua viatura para a ambulância.

“Foi rapidíssimo”, conta o comandante da Corporação da Barquinha, orgulhoso com o trabalho feito pela sua equipa. Eram 17:28, quando nasceu a criança, o segundo filho do jovem casal torrejano, cuja identidade não foi possível apurar.

“O menino saiu perfeitinho… um homenzarrão” com 3,870 Kgs, revela Jorge Gama. O comandante relata que, assim que o bebé nasceu, chorou e teve logo ali os primeiros cuidados, para os quais os bombeiros estão devidamente formados. Depois, disso, a parturiente foi encaminhada para a Maternidade de Abrantes do Centro Hospitalar do Médio Tejo.

“São momentos como este que fazem valer a pena o nosso trabalho, com todos os sacrifícios inerentes”, afirma o comandante Jorge Gama, dando os parabéns “pelo excelente trabalho da equipa que a todos deixa orgulhosos”.

Um Natal antecipado para o jovem casal de Torres Novas, a quem o jornal mediotejo.net deseja as maiores felicidades para esta etapa das suas vidas.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *