Participaram alunos do 7º e do 9º anos. Foto: mediotejo.net

Foi uma Assembleia de Freguesia diferente aquela que aconteceu na sexta feira, dia 7, no Salão Nobre da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova da Barquinha. Na plateia estavam três turmas de alunos da Escola D. Maria II (duas do 7º ano e uma do 9º ano), acompanhados de professores e encarregados de educação.

“Porque existe a Câmara e a Junta?”, “O que faz o presidente da Junta? E o presidente da Assembleia de Freguesia?”, “Porque não houve fogo de artifício nas festas do concelho?”, “Porque não há enfeites de Natal na Vila?”. Estas foram algumas das questões apresentadas pelos alunos aos quais o presidente da Junta, João Machado, e o presidente da Assembleia de Freguesia, António Fernando Martins, procuravam responder da melhor maneira, sendo que a maior parte das perguntas tinham a ver com competências da Câmara.

Ana Santos, da direção do Agrupamento de Escolas, explicou ao mediotejo.net como surgiu a ideia desta intervenção dos alunos num órgão autárquico local. “Foi-nos lançado este desafio, que valorizámos imenso, e que vai ao encontro daquilo que a tutela também ambiciona, que é a educação para a cidadania”, afirmou.

Pretende-se “incutir nos jovens o espírito de solidariedade e de intervenção social no meio local”, uma forma de “colocar estas sementes” para que os alunos se consciencializem como cidadãos em pleno. “É fundamental os cidadãos saberem quanto recebemos do estado, onde gastamos o dinheiro, quanto ganhamos, quais as nossas competências”, acrescentou o presidente da Junta, João Machado.

João Machado mostrou-se satisfeito pelo facto de a escola ter aceite o convite e lembra que “acima de tudo, o poder político tem uma característica que é servir a população”. “Estamos cá sempre para ajudar”, concluiu.

A reunião começou com o presidente da Assembleia de Freguesia a explicar o objetivo da reunião. De seguida, o presidente da Junta explicou como surgiu a Freguesia (em 2013 por agregação das antigas Freguesias de VN Barquinha e Moita do Norte), o significado do brasão, quem compõe a Junta e quais as suas competências, entre outras informações.

O grupo de participantes no final da sessão. Foto: DR

Os alunos aproveitaram para alertar sobre alguns problemas nos equipamentos de diversão infantil no parque ribeirinho e fizeram algumas “perguntas difíceis” ao presidente da Junta como a de saberem se o autarca já tomou decisões de que se veio a arrepender ou quais as medidas e obras realizadas que o deixaram mais satisfeito.

No final, o presidente da Junta, que se fazia acompanhar pelo secretário Joaquim Paulo e pelo tesoureiro António Costa, ofereceu a todos os presentes um folheto com a explicação sobre a história e a heráldica da Freguesia, bem como um íman com o brasão.

 

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *