Foto: Samuel Sebastião/Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha

O Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha angariou e doou cerca de cinco mil euros, de forma a ajudar na alimentação, matrículas, uniformes e material escolar de 105 jovens moçambicanos de Pemba, em dificuldades devido aos ataques extremistas em Cabo Delgado.

O montante total angariado no âmbito do projeto “Um sorriso para Pemba” foi de 5.040€, tendo o mesmo sido entregue ao padre Albino Anjo, em representação do Padre Ricardo Marques, pároco na diocese de Pemba e ex-aluno do Agrupamento barquinhense, que desafiou à implementação desta iniciativa que visa ajudar os jovens provenientes de famílias carenciadas, deslocadas de guerra devido aos ataques em Cabo Delgado.

Albino Anjo, que também esteve 11 anos no mesmo local, afirmou que “o sonho da Congregação Missionária da Boa Nova foi sempre o de ajudar os outros, servir o povo, servir Pemba, e nem só os cristãos”, sendo que a mesma faz atualmente a gestão de três escolas, onde estão integradas 700 crianças, às quais é providenciada tanto a formação como a alimentação, lê-se no texto divulgado nas redes sociais.

O agrupamento escolar barquinhense conseguiu reunir o referido montante através da venda de rifas e da realização de um jantar de cariz solidário. Segundo informação divulgada pelo agrupamento, o dinheiro agora recebido vai “reforçar diretamente as verbas dedicadas a apoiar famílias, distribuindo cabazes alimentares e na ajuda ao tratamento da SIDA, malária e tuberculose”.

Conforme referido na mesma informação, Paulo Tavares, diretor do agrupamento, deixou uma palavra de agradecimento a toda a comunidade barquinhense e a todas as instituições que se aliaram ao projeto, bem como à professora Dora Oliveira, responsável pela dinamização das atividades de angariação de fundos. O diretor deixou ainda a promessa de que no futuro será outro o projeto a ser apoiado pelo agrupamento.

Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

Já o professor Henrique Alexandre, presidente do Conselho Geral do agrupamento, frisou a “importância destas iniciativas concretas de Caridade. Caridade em dois sentidos: se é certo que o agrupamento se mobilizou no combate às desigualdade em Pemba, as nossas escolas receberam em volta a tomada de consciência das desigualdade, e agiram em conformidade”, lê-se na informação divulgada pelo Agrupamento.

“O mesmo professor afirmou que a esta missão solidária se vai refletir na projeção das pequenas ações pontuais em iniciativas com reflexos estruturais”, tendo ainda o docente sublinhado “a urgência de mudar a nossa forma de pensar, já que há outros que precisam da nossa ajuda, para diminuir as desigualdades”, refere-se ainda na mesma informação.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *