Fotografia: Unsplash

O município de Vila de Rei encontra-se em 21º lugar a nível nacional, entre 306 concelhos analisados, no Ranking da Água 2021, elaborado pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN), que define os municípios que praticam os preços mais justos ao nível dos três serviços básicos: abastecimento de água, saneamento e resíduos sólidos e urbanos.

Neste ranking, Vila de Rei surge na primeira posição no distrito de Castelo Branco e entre os 13 concelhos que compõem a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo.

O presidente da Câmara Municipal de Vila de Rei, Ricardo Aires, refere que “a apresentação de tarifários justos e equitativos para os munícipes tem sido, desde sempre, uma preocupação do executivo. Temos vindo a realizar diversos investimentos nos sistemas de captação e tratamento de água, que nos levam a obter ótimos resultados a nível de qualidade da água – de 99,50% de valor de conformidade em 2020 – e conseguimos, mesmo assim, apresentar preços entre os mais baixos do País”.

Na região do Médio Tejo, depois de Vila de Rei surge Torres Novas (72º lugar nacional), Alcanena (83º), Entroncamento (136º), Constância (143º), Abrantes (158º), Sertã (224º), Ferreira do Zêzere, Mação, Sardoal, Tomar e Vila Nova da Barquinha (todos empatados em 231º), e Ourém (297º).

A elaboração do ranking consiste em cinco fases principais:

1) Levantamento dos tarifários e regulamentos em vigor (a 31 de Dezembro até 2020 e 31 de Outubro a partir de 2021) de todos os municípios portugueses;
2) Simulação do preço da água, saneamento e resíduos para as diferentes dimensões familiares (agregados de um a dez elementos), contemplando sempre que existam as tarifas familiares (de aplicação universal);
3) Validação das simulações realizadas junto de cada município (via email);
4) Cálculo dos índices (de equidade, equidade familiar e equidade regional) e elaboração dos respetivos rankings;
5) Análise e desenvolvimento da plataforma de disponibilização da informação.

E tem por base quatro pressupostos:
1) O consumo diário por pessoa foi estabelecido em 120 litros de água1;
2) Foram consideradas as duas componentes dos tarifários, fixa (correspondente aos utilizadores domésticos) e variável;
3) Foram apenas considerados os tarifários familiares de aplicação universal2;
4) A análise baseou-se nos preços sem IVA incluído.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.