Foto: mediotejo.net

O mercado começou cedo, na zona mais central e histórica da vila. Na Rua Santa Isabel, Largo da Misericórdia e ruas confluentes, revivia-se o espírito da Idade Média com trajes a rigor entre os vendedores das bancas de produtos de artesanato, flores, velharias e iguarias da doçaria e gastronomia tradicional. Para lhe dar oportunidade de reviver estes tempos, o mediotejo.net foi espreitar a nona edição desta iniciativa por terras vilarregenses e registou o momento para a posteridade.

Os visitantes subiam a rua ouvindo os sons do mercado de domingo, mas depressa se deixavam invadir pelos sons do mercado de época que se fazia mais acima.

Entrava-se num mundo longínquo, mas onde a azáfama também se fazia sentir a seu jeito. A música tradicional dos cantares d “A Bela Serrana” entoava, e chamava os visitantes a percorrer o certame.

As próprias bancas estavam decoradas de forma fiel à época, tornando o recuar no tempo ainda mais sólido. Foto: mediotejo.net

A boa disposição reinava numa manhã solarenga, onde os trajes de cores sólidas com detalhes abrilhantados combinavam com as bandeirolas que esvoaçavam com o vento, a fazer lembrar as cerimónias e cortejos dignos da passagem da realeza. No chão, a verdura que amaciava a deslocação, que se fazia mais lenta, ajudando a contemplar o que havia ali à volta.

A segurança foi igualmente garantida a preceito, com militares da Guarda Nacional Republicana a fazerem a ronda a cavalo, equipados e imponentes, impondo a sua presença à passagem dos transeuntes, mas chamando a atenção de miúdos e graúdos que, afastando qualquer receio, depressa pediam para acariciar os equídeos em breves pausas da tarefa destinada.

Foto: mediotejo.net

A meio da manhã, damos pela presença de vestes coloridas, solenes. Chegara El Rey D. Dinis, o Lavrador, acompanhado da Rainha Isabel de Aragão e sua corte, brindando o povo com um cortejo acompanhado da música de época pelas vozes dos seus súbditos, alunos da Escola Básica e Secundária de Vila de Rei.

Entre a plebe, encontramos os mestres em curas e bujigangas, Arbi & Nabiha, que iam oferecendo os seus préstimos aos visitantes, mas sempre de olho nas bancas de outros vendedores.

Arbi & Nabiha, personagens temáticas integradas neste dia medieval pelo grupo Persil Noir. Foto: mediotejo.net

A comunidade ladeou a Rua Santa Isabel à passagem do cortejo solene, não resistindo às práticas contemporâneas da fotografia e registo em vídeo do momento, um dos pontos altos deste mercado.

Miúdos e graúdos, coletividades e instituições puderam viver um dia diferente, com a representação destes usos e costumes que marcam capítulos do reino de Portugal e da Idade Média portuguesa, pedaços de História reproduzidos com uma fiel animação.

 

Espreite a fotogaleria com alguns dos momentos deste dia medieval por terras vilarregenses:

 

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *