Parque da Ribeira da Vila. Vila de Rei. Créditos: CMVR

O município de Vila de Rei lançou uma hasta pública com vista à cedência de exploração do bar/snack bar do Parque da Ribeira da Vila. A exploração do bar terá uma renda mensal de 350 euros, sendo que o direito ao uso privativo terá o valor base de 100 euros, passível de licitação até ao limite máximo de 1.000 euros. As propostas devem dar entrada ate dia 26 de janeiro.

Os critérios para a valorização da proposta serão os seguintes: valor de adjudicação (15%); experiência comprovada na área da restauração e similares (35%); quadro de investimentos a realizar (20%); qualidade do projeto de dinamização dos espaços do bar e palco (30%).

Todas as propostas deverão dar entrada na secretaria do Município de Vila de Rei, contra recibo ou remetidas pelo correio, sob registo e com aviso de receção, até às 16h00 do dia 26 de janeiro. A abertura de propostas e adjudicação serão feitas na Sala das Sessões, pelas 11h30 do dia seguinte, 27 de janeiro.

A cedência do espaço para uso privativo da exploração do estabelecimento vigorará até ao dia 31 de dezembro de 2024, podendo ser renovado sucessivamente pelo período de um ano.

Os interessados em apresentar proposta deverão consultar os respetivos Programa de Procedimento e Caderno de Encargos disponíveis em http://www.cm-viladerei.pt/index.php/pt/servicos-2/avisos-editais. Para qualquer esclarecimento adicional, poderão ainda contactar os serviços da Câmara Municipal de Vila de Rei.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *