João Bento, 15 anos, estudante do 9º ano na escola secundária Solano de Abreu, em Abrantes, sagrou-se hoje tetra campeão do mundo de cálculo mental no concurso Supertmatik, ao obter o melhor tempo de entre cerca de 37 mil concorrentes de todo o mundo, no seu escalão.

João Silva Bento é mundial pelo quarto ano consecutivo, tendo rivalizado consigo próprio na obtenção do recorde mundial da prova, que já lhe pertencia. Este ano despendeu mais 5 centésimas de segundo relativamente ao recorde pessoal obtido em 2015.

João Bento com a família, em Abrantes. Foto: mediotejo.net

O jovem abrantino, residente em Chaínça, conquistou o 1º lugar no seu escalão e o segundo melhor tempo mundial de sempre, no total das 11 edições do concurso, com um tempo de resolução de 33, 71 segundos às 15 equações que lhe foram apresentadas, o 2º melhor tempo da história da competição (33,66, que já lhe pertencia), e com um tempo médio de resolução de 2,24 segundos por equação.

Top Ten 2016/2017 do SuperTmatik, escalão 9º ano

O 2º classificado, um aluno vietnamita da International School de Ho Chi Minh City  (52’ 42”), ficou a uma distância de 19 segundos de João Bento. O terceiro lugar foi para Serena Jou, da ACG Strathallan School, da Nova Zelândia, com um tempo de 52, 49 segundos.

EM ATUALIZAÇÃO

*João Bento e a sua participação no programa da RTP ‘Os Extraordinários’

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Entre na conversa

3 Comentários

  1. Parabéns João Bento !O feito alcançado é digno de orgulho para todos os Portugueses .

  2. Excelente. Espero que estes jovens conduzam o nosso Portugal no futuro. São tão valiosos que até temo que alguma potência Internacional os venha buscar. Portugal precisa destes jovens e nós portugueses temos de os apoiar nas carreiras profissionais que um dia venham a escolher. O meu orgulho em serem portugueses. Continuem a concorrer, bem merecem ganhar.

  3. Quando no País há cabeças à frente dos nossos destinos à quarenta anos e não saímos da sepa torta, à que dar aos jovens e investigadores, mais apoio para que um novo Portugal surja.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.