Passeio Noturno do Lobisomem em Sardoal para caminhar às escuras e escutar lendas em noite de lua cheia. (imagem ilustrativa). Créditos: Pixabay

O V Passeio Pedestre no trilho do Lobisomem decorre este sábado, 11 de março, em Vale das Onegas, Alcaravela (Sardoal). Uma caminhada intergeracional, onde os mais velhos contam aos mais novos as lendas da região. Um momento de reunião e partilha que se volta a repetir e envolve uma bebida reconfortante (café) e filhoses em noite de lua cheia.

A serra de Alcaravela é um local repleto de mitos, lendas e histórias de lobisomens em noites de lua cheia. E foi a ideia de juntar gerações em torno das lendas antigas associadas a lobisomens que deu origem aos passeios noturnos organizados pela Associação de Moradores do Vale das Onegas, em Sardoal.

Este sábado, 11 de março, a partir das 20h00 e durante pelos menos duas horas e meia, decorre, sem medos, o V Passeio Noturno do Lobisomem, atividade realizada em noite de lua cheia e sempre durante a quaresma, onde os mais velhos contam as lendas que ouviram em tempos de invernosos serões passados à lareira.

Assim, até cerca das 22h30, os caminhantes (de qualquer idade) trilham velhos caminhos, entre os matos, antigamente usados para andar entre aldeias.

Para o passeio, com inscrições gratuitas que se podem fazer através do telefone 962 994 445, a organização recomenda roupa branca, calçado próprio para percorrer caminhos de mato e uma pequena lanterna ou colete refletor.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *