A SAT foi fundada a 1 de julho de 1901 e é conhecida como a 'catedral da cultura' de Tramagal. Foto: mediotejo.net

A direção da Sociedade Artística Tramagalense (SAT), de Tramagal, assumiu no dia do seu 121º aniversário estar ciente dos desafios que o presente e o futuro representam para a coletividade em termos de manutenção de edificado, equipamentos e captação de públicos, e assegurou que apoios, ideias e projetos não faltam para manter o sonho vivo e a Catedral da Cultura a funcionar.

“O principal desafio hoje é mesmo manter a casa a funcionar”, disse ao mediotejo.net Manuel Grácio, presidente da SAT, tendo afirmado que a direção está ciente dos desafios que a sociedade atual coloca a este tipo de coletividades, e que é preciso ir ao encontro das pessoas, com novas valências e ofertas programáticas que vão ao encontro dos interesses da população de Tramagal e da região envolvente.

Fundada a 1 de julho de 1901, a SAT assinalou na manhã de sexta-feira, dia 1 de julho de 2022, com uma sessão solene, o 121º aniversário em atividade contínua em prol do desporto e da cultura, tendo marcado presença na sessão alguns associados, assim como o presidente da Junta de Freguesia de Tramagal, que assegurou todo o apoio possível a uma “peça fundamental” no afirmação cultural local, o “equipamento cultural por excelência” da freguesia.

Manuel Grácio, presidente da direção da SAT, no uso da palavra. Foto: mediotejo.net

Se o apoio, moral, logístico e financeiro foi assegurado por parte de António José Carvalho, dentro das capacidades da Junta de Freguesia, já o vereador com o pelouro da Cultura na Câmara Municipal de Abrantes, Luís Correia Dias, não só enalteceu o trabalho e o percurso de 121 anos em prol da cultura na freguesia e no concelho, como elencou os novos desafios, apontou a novas metas, e afirmou que a SAT é peça nuclear da “cartografia cultural” que se pretende desenhar no concelho de Abrantes.

“A par dos desafios estruturais, com a SAT a ter investimentos graduais mais contínuos, os desafios passam pela atração [de pessoas e dirigentes], e formação de novos públicos e de agentes culturais”, disse, lançando um desafio maior mas relacionado: “certificar a SAT [enquanto equipamento cultural] de modo a integrar a rede de teatros e cineteatros de Portugal”, a exemplo do que pretende fazer para o cineteatro S. Pedro, que vai entrar em breve em obras de requalificação e modernização.

Um objetivo que implica um investimento muito significativo, na ordem das centenas de milhar de euros, mas para o qual há interesse do município e apoios do governo, segundo o vereador da Cultura, que é como quem diz que “o sonho comanda a vida” e que os desafios estão aí para serem ultrapassados.

No seu discurso, o presidente da SAT elencou algum do trabalho desenvolvido, apontou a objetivos e agradeceu o apoio dos sócios, amigos da coletividade, empresários, município e freguesia.

“Já passaram 121 anos que esta casa foi fundada, fazendo dela uma das mais antigas do nosso concelho que se tem mantido em atividade ininterrupta. Com altos e baixos, temos mantido esta casa centenária, e, mesmo durante esta pandemia que nos assolou, muitas atividades foram mantidas”, lembrou, tendo afirmado que “os tempos não têm sido fáceis” mas que, “agora, há que recuperar e olhar em frente, relançando as nossas atividades”.

Agradecendo publicamente ao município de Abrantes e à Junta de Freguesia de Tramagal “todo o apoio” que têm dado, o dirigente associativo salientou o programa FinAbrantes, nas suas medidas Cultura e Eventos, pois, notou, “sem eles esta casa já estaria encerrada”. Manuel Grácio destacou alguns dos investimentos realizados recentemente, como a entrada da coletividade, envidraçada, com “uma porta que dignifica esta casa”, a “recuperação e pintura da fachada” e “novas janelas”, e um espaço ao ar livre, em frente a coletividade, que “dentro de dias também irá ser remodelado”, obras “só possíveis graças ao FinAbrantes Investimento, nova medida que foi este ano implementada”.

A centenária coletividade de Tramagal, presidida por Manuel Grácio, não deixou assim passar o dia 1 de julho sem assinalar o momento festivo e do 121º aniversário, com a cerimónia do içar das bandeiras, seguido de uma sessão solene e da entrega de medalhas aos associados mais antigos da SAT.

Os sócios da SAT homenageados este ano foram José António Couto, José Brito Neto, Abílio Mendes Pombinho, João Fernandes Ferreira e Manuel Pio.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.