Fábrica da Mitsubishi Fuso anunciou reforço da produção, aumentos aos trabalhadores e produção neutra em CO2 em 2022. Foto: mediotejo.net

Os cerca de 580 trabalhadores da fábrica de camiões da Mitsubishi Fuso Truck Europe (MFTE), no Tramagal, receberam um pagamento extraordinário de 400 euros em setembro, confirmou a empresa. O bónus salarial serve para os operários lidarem com a subida da taxa de inflação, no nível mais elevado dos últimos 30 anos.

A unidade produtiva do Tramagal, detida pela Daimler Trucks, efetuou em setembro este pagamento extraordinário aos 585 trabalhadores, incluindo estagiários, confirmou ao mediotejo.net fonte da administração da empresa, que disse não ter mais nada a acrescentar relativamente à informação prestada ao jornal ECO por Arne Barden, o alemão que, desde o início deste ano, comanda os destinos da fábrica instalada em Tramagal. Desta forma, segundo refere o mesmo jornal, a unidade produtiva pretende “ajustar os salários de forma inteligente”.

Esta medida não é nova na Mitsubishi Fuso, que em dezembro de 2021, então com Jorge Rosa ainda como presidente, anunciou um aumento salarial extraordinário de até 100 euros nos próximos dois anos, ou seja, 2022 e 2023.

Em comunicado, a MFTE referiu, na ocasião, que os aumentos seriam divididos em duas fases, com uma primeira a ocorrer em janeiro de 2022 e uma outra em janeiro de 2023, e com a maior subida a refletir-se nos salários mais baixos.

“Apesar da situação pandémica e da crise de componentes, a nossa unidade tem mostrado resultados positivos. Desejamos assim premiar as nossas equipas e reforçar a atratividade de novos colaboradores, essenciais para conseguirmos responder aos projetos futuros que temos planeados”, afirmou Jorge Rosa, citado na mesma nota informativa.

A comunicação feita no final de 2021 aos trabalhadores, para além do balanço da atividade e previsão para 2022, serviu para a despedida de Jorge Rosa dos colaboradores, depois de 16 anos como presidente da empresa, num total de 42 anos de trabalho contínuo na fábrica de Tramagal, onde iniciou na então Metalúrgica Duarte Ferreira (MDF).

Desde 1 de janeiro de 2022 o cargo passou a ser exercido por Arne Barden, até então responsável pela cadeira logística da marca nipónica.

Fábrica da Mitsubishi Fuso paga cheque anti-inflação de 400 euros. Foto: mediotejo.net

A Mitsubishi Fuso Truck Europe (MFTE) emprega hoje 585 trabalhadores e fechou o ano de 2021 com uma produção na ordem das 10.000 unidades dos modelos Canter e eCanter, e uma faturação superior a 206 milhões de euros.

A MFTE, empresa do grupo Daimler Truck, resultado da divisão do grupo Daimler, reclama a liderança “mundial no mercado de pesados” e engloba sete marcas: Mercedes-Benz, FUSO, Setra, BharatBenz, Freightliner, Western Star e Thomas Built Buses.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Entre na conversa

6 Comentários

  1. Este exemplo demonstra que apesar de algumas empresas terem lucros fabulosos, os seus responsáveis têm o lado humanitário para com os colaboradores.
    Parabéns pela atitude.

  2. Trabalhei nesta empresa á 30 anos e já nesta altura pagava o 15 mês de salário no fim do ano. É um bom exemplo de gestão de partilha de lucros, pelos seus trabalhadores.

  3. Se todas as empresas assim atuassem não teríamos tantos conflitos entre trabalhadores e patrões; o trabalho seria mais rentável; contribuiam para um ambiente agadável, colaborador e feliz. Parabéns! Que muitas outras empresas sigam o vosso exemplo.

  4. Agora é “rezar” para o bónus não fazer ultrapassar o limite do IRS e com isso perderem ainda mais dinheiro do que aquele que ganharam.

    Quanto mais a pessoa ganhar mais o Estado rouba em % do recebido… é mais uma forma de promover o princípio de quanto mais trabalhar/ mais eficiente for mais prejudicado será.

  5. Amigo João, nessa ordem de ideias o ideal seria baixarem os ordenados,você pensa negativo,todas as emptesas deviam agir como esta,muitas apresentam lucros de milhoes e para os trabalhadores tostões

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *