depois de quase duas décadas a celebrar apenas a elevação a vila, Riachos quis marcar a data da sua formação como freguesia. Foto: mediotejo.net

A freguesia de Riachos, Torres Novas, decidiu este ano voltar a celebrar o aniversário da formação da autarquia, data que já não lembrava há perto de duas décadas. O momento no Museu Agrícola de Riachos na quarta-feira, 23 de agosto, foi marcado por homenagens a figuras da terra e vários discursos políticos que salientaram a importância das freguesias na dinâmica do poder local e a necessidade de serem distribuídas mais competências.

O presidente da junta de freguesia de Riachos, José Júlio, abriu a sessão solene, recordando que a luta pela independência da freguesia em relação a Santiago se prolongou durante a primeira década da República (até 1923). “Riachos tem que se afirmar”, defendeu, afastando-se de subserviências e construindo um caminho próprio que melhore a vida das populações. “Para isso temos que continuar a exigir à Câmara de Torres Novas mais e melhores meios”, defendeu.

A necessidade de afirmação das freguesias foi o tema também desenvolvido pelo representante do Bloco de Esquerda (BE), Joaquim Madeira. “Não é totalmente verdadeiro que a vitória do 25 de abril foi o poder local”, comentou, referindo que os poderes estão sobretudo concentrados nas Câmaras Municipais, com poucas delegações de competências. “A junta de freguesia tem funcionado mais como uma comissão de melhoramentos”, salientou.

Vítor Faria recebeu a medalha de mérito da cidadania. Foto: mediotejo.net

O autarca apresentaria algumas das preocupações do BE para Riachos, nomeadamente a requalificação da Casa do Povo (com sugestão de atribuir o nome do histórico dirigente Joaquim Santana ao um futuro auditório) e o novo acesso à Zona Industrial.

O presidente da assembleia de freguesia, David Garcia, lembrou a história de Riachos, salientando que “passados 94 anos, Riachos é a maior freguesia não urbana do concelho”. Vila desde 1984, “a freguesia de Riachos precisa de ser olhada como a freguesia urbana que é hoje”.

O presidente da assembleia municipal de Torres Novas, José Trincão Marques, contou um pouco da sua ligação familiar e afetiva a Riachos, frisando que “as freguesias são insubstituíveis na descentralização de competências”. “É preciso reafirmar a importância da descentralização administrativa”, sublinhou.

Carlos Mendes recebeu a medalha de mérito da cultura. Foto: mediotejo.net

Por fim, o presidente da Câmara de Torres Novas, Pedro Ferreira, saudou Riachos por ter tornado a celebrar o aniversário da freguesia, lembrando a importância do poder local. “Riachos teve sempre o seu destino mais ou menos programado dentro das possibilidades de um país em desenvolvimento”, afirmou. A freguesia “teve uma estratégia de paixão pela terra”, albergando atualmente cerca de 30 associações, referiu o presidente. “Riachos é importante pela posição estratégica e pela população que tem”.

Pedro Ferreira terminaria a adiantar que há um convite para o Rancho Folclórico Os Camponeses de Riachos irem atuar aos EUA no 10 de junho, na comunidade portuguesa de Newark.

Fadista riachense Teresa Tapadas encerrou a noite. Foto: mediotejo.net

A encerrar a sessão foram homenageados com a Medalha de Mérito os riachenses Vítor Faria e Carlos Mendes, pelo contributo à comunidade no âmbito da cidadania e da cultura, respetivamente. A fadista de Riachos Teresa Tapadas fechou a celebração.

Riachos celebra por norma a data de elevação a vila, tendo o executivo da autarquia decidido marcar este ano a data de formação da freguesia.

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.