Fatura da eletricidade vai aumentar mais de um milhão de euros, com a Câmara de Torres Novas a anunciar cortes nas iluminações de Natal. Foto ilustrativa: DR

“Os municípios não são exceção na questão dos novos preços da energia”, começou por dizer Pedro Ferreira (PS), presidente da Câmara Municipal de Torres Novas, na última reunião camarária de 26 de outubro, onde deu a conhecer que a fatura energética do município em 2023 irá aumentar “no mínimo” cerca de “um milhão de euros” e que terão forçosamente de haver limitações nas iluminações públicas e de Natal.

Depois de a Galp Energia ter denunciado o contrato que tinha com o município torrejano e de ter apresentado preços “absolutamente desconformes que atiravam para uma diferença de alguns milhões de euros em termos de iluminação pública, equipamentos, tudo o que era energia ao nível da Câmara”, a autarquia resolveu “tomar providências”, afirmou Pedro Ferreira.

Neste sentido, vai ser aberto um novo procedimento concursal dentro do mercado regulado, “mas mesmo assim estamos conscientes que iremos sempre ser afetados durante o ano 2023, no mínimo, em um milhão e tal de euros a mais do que costumávamos pagar”, revelou o líder do município torrejano, que fez também saber que vão ser tomadas algumas medidas para “evitar maior consumo de energia”.

Intervenção de Pedro Ferreira (PS), presidente da Câmara Municipal de Torres Novas.

Reduzir a iluminação pública, “com segurança” e em diálogo com as Juntas de Freguesia foi desde logo uma das medidas apontadas pelo autarca, à qual se juntou limitações ao nível da iluminação de Natal:

“(…) Irá haver iluminação de Natal porque já estava contratada, da parte da Câmara dos arcos que costuma pôr, iremos pensar se os vamos colocar ou não, para poupar também energia. A iluminação de Natal é toda led, tem essa parte positiva, mas vamos reduzir os horários da iluminação de Natal”, explicou Pedro Ferreira, que adiantou que a mesma deverá ser colocada em funcionamento no dia 1 de dezembro e possivelmente terminará no dia 31 do mesmo mês.

Tendo o Estado imposto limitações relativamente à iluminação decorativa no Natal – entre as 18h00 e as 24h00 – o município resolveu ainda encerrar a iluminação de Natal uma hora antes, “porque às 23h já não estão as lojas a funcionar (…) não prejudica assim tanto o comércio, porque também temos que pensar que a iluminação de Natal é importante para o comércio local, todos ganhamos com isso de uma forma indireta”, explicou o autarca.

“Também tem uma parte psicológica que é importante para todos também, é o Natal, no meio de tanta desgraça que vemos na televisão todos os dias também é importante uma parte psicológica positiva com a iluminação de Natal”, acrescentou ainda Pedro Ferreira.

Foi João Trindade vereador com o pelouro de Ambiente, Sustentabilidade e Descarbonização, quem depois fez saber que o município torrejano vai implementar um pacote de 20 propostas para a redução de gastos energético em várias áreas, desde a questão da redução da iluminação pública, da iluminação de natal e de alguns edifícios.

Na mesma lógica serão também aplicada medidas internas nos edifícios municipais relacionados com a regulação da temperatura de climatização, de luzes, continuidade da substituição de luzes por led, sendo que atualmente se encontra a decorrer um procedimento para a realização de 22 auditorias nos edifícios municipais relacionadas com a eficiência hídrica.

Intervenção de João Trindade (PS), vereador com o pelouro de Ambiente, Sustentabilidade e Descarbonização.

O edil acrescentou ainda que já foi iniciado o processo do plano municipal de ação climática, que vão ser adquiridas mais três viaturas elétricas ao abrigo do fundo ambiental e que vai ser lançado um desafio às escolas, o qual envolverá a questão energética, do consumo de água e de resíduos, “com o objetivo de as mesmas reduzirem e que esta redução, o valor associado, seja depois revertido para as mesmas”.

“No global são 20 medidas (…) onde pretendemos que as mesmas contribuam para a redução do consumo, e assim também redução da despesa que temos associado à parte energética”, sintetizou o eleito socialista.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *