Escola de Polícia de Torres Novas. Foto arquivo: mediotejo.net

A “boa nova” para o município de Torres Novas surgiu através da visita de Isabel Oneto, secretária de Estado da Administração Interna, às instalações do Colégio Andrade Corvo, numa reunião combinada com a Câmara e com o Bispo de Santarém, considerando o líder da autarquia torrejana que a visita correu “muito bem” e que foi “importantíssima esta visão com que a senhora secretária de Estado ficou da importância do Colégio Andrade Corvo para a expansão da Escola da PSP”.

“Foi frisado várias vezes – e com gosto ouvimos – a senhora secretária de Estado reafirmar que Torres Novas vai ficar definitivamente o polo único de formação da PSP, para jovens formandos, para graduados, para tudo o que tenha a ver nesse campo. Mas o passo mais importante que vai ser dado, e que aguardamos com uma grande expetativa – não vou entrar em pormenores porque é uma negociação que está em curso entre a secretaria de Estado e os proprietários do Colégio Andrade Corvo, que é o Seminário de Santarém – mas as obras que lá forem executadas, serão suportadas a 100% pelo Estado Português”, afirmou Pedro Ferreira.

ÁUDIO | PEDRO FERREIRA, PRESIDENTE CM TORRES NOVAS:

Pedro Ferreira (PS), presidente da Câmara Municipal de Torres Novas.

Relembrando que existe, por exemplo, uma casa apalaçada no Colégio Andrade Corvo, Pedro Ferreira disse que se calhar nem todas as zonas vão ser exploradas pela PSP, mas que a previsão aponta para que a PSP tenha de desembolsar uma quantia de cerca de dois milhões de euros para as obras de adaptação, sendo que consoante o gasto poderá haver uma oscilação na renda.

A Câmara, no entanto, nada tem nada a ver com este processo, uma vez que a negociação decorre entre a PSP e o Seminário de Santarém, proprietário do edifício.

A renda tem sido suportada pelo município, num valor de 25 mil euros por ano, sendo que Pedro Ferreira espera que até ao final do ano o problema esteja resolvido, ultrapassando também um investimento municipal previsto na ordem dos 800 mil euros na requalificação do Colégio Andrade Corvo.

“Este ano está praticamente pago e depois deixaremos de pagar”, disse Pedro Ferreira, acrescentando que a autarquia vai passar a funcionar apenas como veículo financeiro, servindo de intermediário, situação em que a PSP paga à Câmara e depois a autarquia paga ao Seminário.

“O principal é que cada vez se vão criando mais raízes para definitivamente a PSP ter aqui a Casa Mãe ampliada (…) e isso é importante para o futuro de Torres Novas, e também, não menos importante, é que a Câmara não irá ter custos acrescidos no Colégio Andrade Corvo, a partir [do momento] que comecem as obras pela Polícia de Segurança Pública”, disse Pedro Ferreira.

O protocolo entre o município torrejano e a Polícia de Segurança Pública vai assim ter de ser alvo de revisão, pelo que oportunamente irá ser novamente apresentado para apreciação em reunião de Câmara.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.