Alunos do Massimo Esposito e turmas de artes expõem no Convento do Carmo. Foto: CMTN

O Convento do Carmo de Torres Novas está a acolher até dia 16 de junho os trabalhos de estudantes de artes da Escola Secundária de Maria Lamas, do Colégio Andrade Corvo e do Colégio dos Navegantes, com a exposição “Do atelier para o Convento”. Os alunos de Abrantes, Entroncamento, Santarém e Torres Novas, do ‘Ateliê do Massimo’, pintor italiano radicado em Portugal, também integram uma exposição coletiva igualmente patente no Convento do Carmo.

Ainda dentro do projeto Do atelier ao Convento, estão em exposição os trabalhos de desenho e pintura dos alunos do Ateliê do pintor Massimo Esposito, com trabalhos originais dos alunos de Abrantes, Entroncamento, Santarém e Torres Novas.

O mesmo local acolhe a exposição “Às voltas com o Rio Almonda”, com trabalhos das turmas do 8.º ano do Agrupamento de Escolas Artur Gonçalves, e a exposição de fotografia “Almonda, da nascente à foz”, da autoria de Abílio Dias.

Ainda dentro do projeto Do atelier ao Convento, estão em exposição os trabalhos de desenho e pintura dos alunos do Ateliê do pintor Massimo Esposito. Foto: DR

No total, são quatro as exposição patentes ao público no Convento do Carmo, tendo as mesmas sido inauguradas nos dias 24 e 25 de maio, podendo ser apreciadas às segundas, terças, quintas e sextas-feiras das 9h às 12h30 e das 14 às 17h30, às quartas-feiras das 9h às 12h30 e das 14h às 19h30 e aos sábados das 14h às 17h30.

A entrada no Convento do Carmo é gratuita e a entrada acessível faz-se pela portaria do lado Travessa do Hospital Civil, onde se encontra o parque de estacionamento.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.