Foto ilustrativa (Foto: DR)

Um homem de 51 anos, funcionário em Tomar, ficou preso preventivamente por suspeita da prática de crime de violação agravada consumado, de vários crimes de violação agravada na forma tentada e, ainda, de crime de coação agravada, segundo o comunicado do Ministério Público.

Os crimes terão ocorrido entre o verão de 2016 e novembro de 2017 na cidade do Entroncamento, onde a família reside, e a vítima é uma menor atualmente com 14 anos, filha da companheira do suspeito.

O MP explica que “o arguido, padrasto da menor, aproveitava-se da situação de doença da mãe da mesma, que necessitava dormir sozinha, pretexto aproveitado para justificar a dormida da menor no sofá ou na cama do padrasto”.

Ouvido em primeiro interrogatório judicial no dia 19, foi-lhe decretada prisão preventiva “por ser a única medida capaz de debelar os perigos para a aquisição, conservação e veracidade da prova, para além dos perigos de continuação da atividade criminosa e de perturbação da ordem pública no local onde a menor habita, um meio pequeno em cidade de província”. No entanto, o MP refere que, se o arguido tiver condições económicas, a medida de coação pode ser modificada “para medida de obrigação de permanência na habitação com vigilância eletrónica, na circunstância outra casa, situada a cerca de 10 Km do local da residência da menor”.

Na investigação através da 3ª Secção do DIAP de Tomar, o Ministério Público será coadjuvado pela Polícia Judiciária.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.