reunião de câmara de Tomar de 31 de julho de 2017. Foto: mediotejo.net

O executivo municipal de Tomar rejeitou esta segunda-feira, 31 de julho, por maioria, uma proposta do PSD para dar um apoio extraordinário ao Sporting Club de Tomar. Tratava-se de ressarcir o montante que a associação entregou, como donativo, às vítimas do grande incêndio de Pedrógão Grande. PS e independentes elogiaram o gesto solidário do clube, mas não concordaram com os termos do apoio extraordinário.

A proposta partiu da bancada do PSD, com o vereador João Tenreiro a elogiar o gesto do Sporting Club de Tomar que realizou um donativo às vítimas de Pedrógão Grande. Propunha-se assim que o município devolvesse o montante doado, em forma de apoio extraordinário.

A ação solidária do Sporting de Tomar foi elogiada por todos quantos tomaram a palavra, assim como a defesa do apoio ao associativismo. No entanto os termos do apoio extraordinário não trouxeram consenso, com o vereador Hugo Cristóvão (PS) a constatar que apesar da “bondade”, ressarcir dinheiro que foi alvo de uma doação poderia criar um mau precedente. Também o vereador Pedro Marques (IpT) manifestou as suas dúvidas, sugerindo que a dar-se um apoio extraordinário este não fosse no valor da doação.

A presidente da Câmara, Anabela Freitas, foi a última a intervir, considerando que “a solidariedade é dada, não é ressarcida”, e votando contra a proposta. Esta acabaria por ser rejeitada com os votos contra do PS e CDU e a abstenção do IpT.

 

 

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.