Foto: CIRE

A Câmara Municipal de Tomar aprovou a atribuição de um apoio de 35.680,00€ para o CIRE (Centro de Integração e Reabilitação de Tomar), a ser aplicado diretamente em obras a realizar no edifício da instituição, de forma a restabelecer a segurança das instalações e de melhorar as condições de climatização. A proposta foi aprovada por unanimidade.

Hugo Cristóvão (PS), vereador que apresentou a proposta, referiu na reunião que foram analisadas várias hipóteses, e que se chegou a ver outros locais para onde a instituição pudesse ser mudada, mas que todos eles também precisariam de obras, pelo que se chegou à conclusão, em conjunto com a direção do CIRE, que “ainda assim, a melhor solução, seria fazer intervenção nas instalações que são efetivamente do CIRE do que estar a fazer noutras, ainda que essas intervenções permitam uma solução novamente temporária mas aqui um temporário mais alargado para dar tempo à instituição de poder naturalmente desenvolver um projeto de fundo e depois tentar encontrar financiamento para esse projeto de fundo”, disse o vereador socialista. 

“Esta intervenção que agora aqui propomos pelo menos permite aqui uma abrangência de meia dúzia de anos com toda a segurança e portanto pretende-se não só melhorar a segurança das instalações mas também a sua climatização, uma vez que também era bastante deficiente”, explicou ainda o vice-presidente da autarquia nabantina.

Tendo em conta que o terreno é municipal mas que as instalações são do CIRE, Anabela Freitas (PS), presidente da Câmara Municipal, complementou ao dizer que o município vai ser dono da obra – a qual vai decorrer por duas formas, uma parte por empreitada e outra por administração direta – e que vai ser pedida uma declaração ao proprietário para autorização para fazer as obras.

O apoio para as obras está estimado em 35.680€. Foto: CIRE

Segundo documento a que o mediotejo.net teve acesso, a proposta apresentada seguiu-se tendo em conta a consideração de “que o Centro de Integração e de Reabilitação de Tomar, apesar de ser uma Instituição Particular de Solidariedade Social, presta um serviço único à comunidade” e de que “tem parcas disponibilidades financeiras, e que as instalações utilizadas para o serviço educativo, integrando crianças abrangidas pela escolaridade mínima obrigatória, se encontram muito debilitadas e não oferecendo segurança para técnicos e utentes, a ponto de no presente estarem a ser utilizadas, por solicitação desta câmara, instalações de outra IPSS”, uma vez que atualmente as valências do CIRE estão temporariamente a funcionar no edifício do CAT, o qual foi cedido pela Santa Casa da Misericórdia de Tomar.

Segundo o mesmo documento, o apoio estimado na casa dos 35.680,00€ está orçamentado da seguinte forma:
Demolição e reconstrução da parede exterior (Ad. direta) – 7.500,00€
Aplicação de pavimento flutuante (ad. direta) – 4.800€
Execução de divisórias e teto falso (empreitada) – 13.570,00€
Instalação de caixilharias e envidraçados (empreitada) – 9.810,00€

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.