Os Bombeiros de Tomar foram distinguidos com a Medalha de Mérito de Proteção e Socorro, no grau ouro e distintivo azul, atribuída por José Luís Carneiro, Ministro da Administração Interna, na cerimónia de comemoração do centenário. Foto: mediotejo.net

De forma a assinalar a marca redonda de cem anos ao serviço da população, os Bombeiros do Município de Tomar foram condecorados com a Medalha de Mérito de Proteção e Socorro, grau ouro e distintivo azul atribuída pelo Governo, na pessoa de José Luís Carneiro, ministro da Administração Interna. A cerimónia foi igualmente marcada pelo último dia de serviço do atual do ex-comandante da corporação, Vítor Tarana, que foi também homenageado pelos 42 anos de dedicação aos bombeiros de Tomar.

Foi na Várzea Grande que decorreu a Cerimónia Comemorativa do Centenário dos Bombeiros do Município de Tomar, no sábado, dia 2 de abril, onde se juntaram diversos operacionais, autarcas, entidades e população em geral. Foram também vários os bombeiros homenageados. 

A corporação tomarense, que celebra em 2022 cem anos de atividade, foi assim agraciada com a Medalha de Mérito de Proteção e Socorro, no grau ouro e distintivo azul, naquele que é um reconhecimento pelo “exemplar percurso da sua existência ao serviço da comunidade e da proteção e socorro de populações com uma atuação sempre caracterizada pelo heroísmo, pela abnegação e pela solidariedade para com o próximo”, conforme publicado em Diário da República.

Afirmando no início do seu discurso que é com enorme satisfação e orgulho que comanda o corpo de bombeiros de Tomar, quer estes sejam profissionais ou voluntários, Humberto Morgado, comandante dos Bombeiros do Município de Tomar, agradeceu o trabalho e dedicação de todos.

“Hoje o corpo de bombeiros está mais forte, mais jovem, com outra postura, imagem e apresentação”, disse Humberto Morgado, que referenciou depois os 16 recrutas que, a partir de  abril, vão integrar a corporação em período de estágio em contexto de trabalho, dando ainda nota das novas fardas, novos equipamentos de proteção individual e instalações melhoradas de que a corporação dispõe com o investimento feito pela autarquia nabantina. 

ÁUDIO | Humberto Morgado, comandante dos Bombeiros do Município de Tomar

“Passo a passo construímos o futuro. Hoje fazemos 100 anos, de altos e baixos como todas as instituições, hoje damos o nosso melhor em prol do socorro, da qualidade que ambicionamos. Hoje todos nós, bombeiras e bombeiros, estamos aqui para mostrar e responder ‘pronto’. Os tomarenses, o distrito e a nação podem contar connosco”, referiu o atual comandante dos Bombeiros do Município de Tomar que deu ainda nota sobre a recuperação da divisa do corpo de bombeiros do primeiro estandarte, “dever e honra”.

“Dever para com o município de Tomar e para com o Corpo de Bombeiros e honra de pertencer e honrar todos os que fizeram e fazem parte de um corpo de bombeiros, desde a fundação até aos dias de hoje”, disse Humberto Morgado.

Humberto Morgado, comandante dos Bombeiros do Município de Tomar. Foto: mediotejo.net

“Um século de existência de uma instituição é sempre um marco marcante, não só na vida da mesma mas também da comunidade. Ao longo destes anos muitos milhares de cidadãos em muitos locais do nosso país foram socorridos e assistidos pelos bombeiros do município de Tomar, na certeza de que, muitas das vezes o seu empenho era apenas compensado com o espírito do serviço realizado e a satisfação do lema ‘Vida por Vida'”, disse por sua vez Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar.

Segundo a autarca, a estratégia para os Bombeiros do Município de Tomar assenta em três pilares: aumento do número de efetivos, aumento dos níveis de instrução e formação interna “visando aumentar a rapidez e qualidade da resposta, mas também formar com uma cultura de segurança, e investimento, o qual é importante enquanto entidade detentora garantir as condições e equipamentos para que os operacionais possam atuar em segurança, contribuindo assim para o que foi a definição do segundo pilar.

ÁUDIO | Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar

“Bombeiras e bombeiros, ao longo dos últimos anos foram dados passos significativos na valorização da vossa carreira. Certo é que ainda existe um longo caminho para percorrer, mas esse caminho é um caminho que precisa de clarificação”, disse Anabela Freitas que afirmou ser necessário separar aquilo que é a verdadeira carreira do bombeiro, do bombeiro sapador, da natureza jurídica da sua entidade patronal.

“Quando se confundem as duas coisas, quem fica a perder é sempre o operacional, e no final do dia, é o operacional que cumpre a missão da prestação do socorro e da segurança de pessoas e bens”, clarificou Anabela Freitas.

“Foi, é e será uma honra trabalhar para vocês e com vocês, viva os Bombeiros do Município de Tomar, viva Tomar”, concluiu a presidente do município tomarense.

Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar. Foto: mediotejo.net

“Comemorar 100 anos é sobretudo comemorar uma prova de capacidade e vivacidade daquilo que é inegável: o apoio que todos vocês dão às populações, daqui de Tomar, do distrito e de Portugal em Geral”, disse Duarte da Costa, presidente da ​Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

ÁUDIO | Duarte da Costa, presidente da ​Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil

O brigadeiro-general apontou ainda para a necessidade de se repensar a profissionalização dos bombeiros: “urge repensar um modelo de profissionalização que possa substanciar uma carreira que seja estratificada em termos de responsabilidades e níveis de decisão, seja subsidiária de uma hierarquia amplamente reconhecida e equiparada aos demais agentes do Estado, esteja assente numa componente de formação académica de nível superior e médio, adaptado às funções e sustentada pelo saber e pelo saber fazer, e sobretudo que (…) isso possa vir a corporizar uma integração destes profissionais numa organização permanente do sistema de Proteção Civil e da própria Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil”, referiu Duarte da Costa.

Duarte da Costa, presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Foto: mediotejo.net

Vítor Tarana, naquele que foi o seu último dia ao serviço dos bombeiros, viu-se também ser homenageado pelos seus 42 anos de dedicação, sendo-lhe atribuída a Medalha de Serviços
Distintos da Liga dos Bombeiros Portugueses, Grau Prata. 

No dia em que foi homenageado tanto pela comunidade tomarense como pelo Governo, Vítor Tarana, 61 anos, não tem dúvidas de que ser bombeiro é mais do que uma profissão: “é um estado de espírito, é o nós podermos contribuir para aquilo que os nossos cidadãos, quando necessitam de nós, recorrem”.

Com o Crachá de Ouro da Liga dos Bombeiros Portugueses, foram agraciados o Adjunto de Comando Vitor Manuel Pereira Bastos, o Sapador Bombeiro José António da Silva Homem, e os Subchefes Carlos Alberto Godinho Matias e João Oliveira Mendes. 

Já a Medalha de Dedicação e Altruísmo da Liga dos Bombeiros Portugueses foi atribuída aos Adjuntos de Comando Vítor Manuel Pereira Bastos e Paulo Alexandre Pereira de Freitas, ao Subchefe de 1.ª classe Paulo Jorge Antunes da Silva, ao Subchefe de 2.ª classe Ernâni Paulo Queirós Batista, e aos Subchefes Carlos Alberto Godinho Matias e João Oliveira Mendes.

O Chefe Vítor Manuel Jesus Ferreira, o Subchefe Vítor Manuel Correia Domingos, os Bombeiros de 1.ª José Luís Alves da Silva e Manuel Oliveira Mendes, e os Bombeiros de 3.ª Paulo Manuel Pereira Conceição Carlos e Paulo Henrique da Silva, foram distinguidos com a Medalha Quadro de Honra da Liga dos Bombeiros Portugueses.

A Medalha de Assiduidade da Liga dos Bombeiros Portugueses, grau ouro, duas estrelas, foi atribuída ao Subchefe de 2ª classe Nuno Miguel Freitas Oliveira e ao Bombeiro de 3.ª Rui Renato Vítor dos Santos, enquanto que a de grau ouro, uma estrela, foi dada aos Sapadores Bombeiros Vanessa Isabel Nascimento Almeida e Luís Filipe Lopes Marques, e ao Bombeiro de 3.ª Susana Filipa Godinho dos Santos.

Fotogaleria condecorações:

Notícia Relacionada:

Tomar | MAI elogia serviço dos bombeiros na pandemia e lembra impactos da guerra (c/áudio)

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.