Foto: TAGUS

Em comunicado, a TAGUS explica que esta iniciativa surgiu de uma ideia “em plena situação pandémica de COVID-19, quando os produtores locais enfrentavam dificuldades em escoar a sua produção, devido aos constrangimentos causados pela mesma, que obrigou ao cancelamento de feiras e mercados onde habitualmente marcavam presença, ao encerramento de estabelecimentos de restauração e de lojas, e ao condicionalismo nos horários de mercearias e supermercados”.

Na altura, a TAGUS desenhou e promoveu uma campanha de apelo ao consumo local, em que os próprios produtores entregavam artigos e cabazes aos compradores sob o mote “O Ribatejo Interior em sua Casa”.

Com o impulso que a pandemia trouxe no que toca a novas estratégias de comercialização e com a expansão das vendas online, a TAGUS candidatou-se à operação 10.2.1.4 – cadeias curtas e mercados locais, do Programa Nacional de Desenvolvimento Rural (PDR2020), inserida no Portugal 2020, cofinanciada pelo FEADER – Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural.

Foto: TAGUS

Por esta via, a associação poderá apoiar os produtores locais “no escoamento das suas produções por e-commerce, fomentando o contacto entre quem produz e quem consome, tornando os produtos mais acessíveis a qualquer parte do país”, sendo que o faz por reconhecer “a qualidade dos produtos do Ribatejo Interior” e com consciência que “os esforços dos pequenos produtores para alcançar potenciais clientes por esta via são demasiado grandes”. Ao lançar esta nova plataforma, a TAGUS pretende ainda “contribuir para o desenvolvimento da economia regional”.

Conceição Pereira, técnica coordenadora da TAGUS, entende que “as compras online assumiram-se como uma opção, e até se tornou um hábito para muitos consumidores, que preferem esta ferramenta – a plataforma de vendas online – para comprar, porque nunca fecham, podem consultar ou analisar as características dos produtos, encomendar quando têm mais disponibilidade, e recebê-las comodamente em sua casa”.

Em termos de operacionalização e sucesso da plataforma, “o projeto prevê a aquisição de embalagens e outros materiais, que permitam escoar estes artigos, e uma estratégia de marketing, de modo a fomentar as vendas e a valorização dos mesmos”, refere a associação.

Foto: TAGUS

Para Conceição Pereira a plataforma Praça do Ribatejo Interior é também “uma oportunidade para que os pequenos produtores, sem capacidade para entrar em grandes circuitos de distribuição, tenham acesso a outro mercado. É, ainda, uma forma dos consumidores terem acesso aos produtos que são distinguidos em concursos nacionais e internacionais de diferentes temáticas. Recordo, por exemplo, o contacto do conhecido Chef Luís Baena com a TAGUS, no sentido de obter uma referência direta de um produtor nosso, para levar os seus produtos para o restaurante que, naquela altura, iria abrir em Londres”, destaca.

A plataforma, que vai ser lançada a 9 de novembro, pelas 18h00, no Espaço Cá da Terra em Sardoal, vai estar disponível na Internet em https://praca-ri.pt, permitindo a comercialização e promoção dos vinhos, cervejas, licores, azeites, queijos, enchidos, mel e outros doces como compotas, marmeladas, bolachas, figos confitados e outros. Todos têm como denominador comum o facto de serem produzidos nos concelhos de Abrantes, Constância e Sardoal.

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *