Vereador Paulo Farinha Luís (PSD) à esqª e Presidente Carlos Miranda (PS) à dtª. Foto: mediotejo.net

A construção de um túnel de transvase de água do Rio Zêzere (a partir da Barragem do Cabril) para o Rio Tejo (Barragem de Belver) é um projeto que continua a suscitar polémica e gerar apreensão. O assunto foi abordado na reunião da Câmara da Sertã e gerou troca de argumentos entre o vereador Paulo Farinha Luís (PSD) e o presidente Carlos Miranda (PS)

“Somos manifestamente contra qualquer tipo de transvase que possa existir, porque prejudica a população da Sertã e toda a parte mais natural do concelho”, defendeu o autarca social-democrata na reunião de executivo realizada esta sexta-feira, que não aceita “um assalto à mão armada à nossa água desta forma”.

Paulo Farinha Luís afirma não compreender “esta obsessão do governo em continuar com este projeto”, um assunto que considera “de muita importância para a região”.

O vereador falou num “autêntico bypass de água ao concelho da Sertã deixando a água do rio Zêzere de passar no concelho”.

“Com este projeto seriamos altamente prejudicados. É de todo de evitar”, complementou o vereador José da Silva Nunes (PSD).

Menos certezas tem o presidente Carlos Miranda (PS) ao considerar que o transvase pode não ser prejudicial ao concelho.

“Nós somos parceiros interessados. Os Municípios têm de ser ouvidos, representamos e defendemos as populações”, começou por ressalvar o edil.

Reconhece que o projeto causa apreensão, defendendo uma gestão integrada dos recursos hídricos.

“Acho que é extemporâneo dizer-se nesta altura que o concelho vai ser prejudicado. O que existe no rio é nada em termos da nossa salvaguarda. Cabril não tem neste momento quota mínima que nos possa defender. Se quiserem secar a barragem podem fazê-lo”, alertou o presidente.

Isto para concluir que “se o projeto garantir uma quota mínima que seja aceitável, boa para nós, já representa mais do que aquilo que nós temos atualmente. Neste momento não temos nada que nos defenda”.

Carlos Miranda lembrou que a concessão da barragem do Cabril à EDP está a terminar e aquela infraestrutura “vai passar a funcionar mais como reservatório de água para diversos fins” do que para produção de eletricidade. “Isto até nos pode garantir mais água, mas nós não sabemos”, concluiu o autarca, sublinhando que o estudo de impacte ambiental sobre o projeto vai ser lançado em setembro.

No dia 1 de agosto, os presidentes de Câmara da Sertã, Oleiros, Pedrógão Grande e Pampilhosa da Serra reuniram com o secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino, nos Paços do Concelho da Sertã, com o objetivo de apresentarem as suas preocupações ao governante em relação ao projeto.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.