Filipe De Moura estreou-se a solo em 2007. Foto: DR

O tenor Filipe De Moura vai atuar este domingo, dia 12 de dezembro, na Igreja Matriz de Várzea dos Cavaleiros, concelho da Sertã, no âmbito do programa “Sertã Espírito de Natal”.

No concerto que se inicia às 17 horas, Filipe De Moura, acompanhado ao piano por Inês Oliveira e ao violino por Diane Rocha, apresenta melodias clássicas e natalícias conhecidas do público, atravessando várias épocas e compositores, como Handel, Schubert, Lloyd Webber ou Morricone. Do reportório constam temas como “Ave Maria”, “Hallellujah, “Joy to the world”, “Oh Holy Night”, entre muitos outros.

A entrada é gratuita e mediante lugares sentados disponíveis e de acordo com as regras em vigor ou seja, mediante apresentação de Certificado Digital Covid ou comprovativo de vacinação ou teste laboratorial com resultado negativo.

Filipe De Moura é um tenor português formado em canto clássico pela Guildhall School of Music & Drama de Londres, tendo também estudado no Conservatório de Música de Lisboa. Estreou-se como solista operístico em 2007 como Alessandro na ópera “Il Rè Pastore” de Mozart, numa produção da Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida pelo maestro Jean-Marc Burfin. Conta com muitos anos de estudos e experiência em Portugal e no estrangeiro, especialmente em Londres.

O concerto de Filipe De Moura integra-se no programa “Sertã Espírito de Natal” promovido pelo Município da Sertã para celebrar a quadra natalícia que se aproxima. Contempla concertos, concursos, teatro, ateliês, atividades literárias, iluminação de natal e animação musical nas ruas. Para além do concerto de Filipe De Moura, estão agendados concertos de Vox Angelis com “300 anos das Mais Belas Canções de Natal” (18 de dezembro, 16h30m, Igreja Matriz de Cernache do Bonjardim), Grupo Coral do Sertanense Futebol Clube, Coro Paroquial e Coro Infanto-Juvenil da Paróquia da Sertã (19 de dezembro, 16H, Igreja Matriz da Sertã), Concerto de Natal da Sociedade Filarmónica Aurora Pedroguense (26 de dezembro, 15h, Igreja Matriz de Pedrógão Pequeno) e João Mendonza (26 de dezembro, 18h30m, Igreja Matriz da Sertã).

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.