Bombeiros descansam depois de uma noite de muito trabalho (Foto: mediotejo.net)

Por volta das 9 horas desta quinta feira, dia 24, foi dado como dominado o incêndio florestal que deflagrou a meio da tarde do dia anterior na localidade de Mosteiro de S. Tiago, freguesia de Várzea dos Cavaleiros, concelho da Sertã.

A pouco e pouco os bombeiros vão desmobilizando, mas segundo o site da Autoridade Nacional de Proteção Civil, a meio da manhã, ainda se encontram no terreno 329 operacionais e 91 viaturas

Arderam entre 500 a 600 hectares segundo o Presidente da Câmara (Foto: mediotejo.net)

Casas de várias aldeias chegaram a estar em perigo – Santinha, Dona Maria, Sorvel, Entre-a-Serra, Vale Lameiro e Barreiros -, mas graças ao trabalho dos bombeiros, não se perderam habitações, apenas alguns barracões agrícolas. Também não houve necessidade de evacuar populações, graças a “uma luta terrível” dos bombeiros, conforme refere o Presidente da Câmara, Farinha Nunes, em declarações ao mediotejo.net.

O autarca calcula que tenham ardido entre 500 a 600 hectares de floresta e teme que haja reacendimentos tendo em conta as condições climatéricas.

Elias Farinha, proprietário florestal, lamenta que os bombeiros apenas se preocupem com as casas. “Não pode ser, está mal, têm de atuar mais”, apela. No incêndio de 25 de julho perdeu “seis ou sete hectares” de floresta. Critica também a falta de união entre os proprietários e o pouco dinheiro que os madeireiros dão pelas árvores queimadas.

Depois de uma noite de combate às chamas os bombeiros descansam (Foto: mediotejo.net)

Mais abaixo, em Entre-a-Serra, Albertino Farinha olha para os seus pinhais que arderam em 2003 e este verão volta a perde-los. “Agora que isto estava a começar a dar… e olha, foi tudo à vida”, desabafa. Além de floresta, perdeu árvores de frutos, oliveiras e algumas hortas.

Dezenas de viaturas de bombeiros estão estacionadas ao longo das estreitas estradas daquelas aldeias. Alguns bombeiros “passam pelas brasas” depois de uma noite de trabalho a combater as chamas. O fumo que persiste parece não os incomodar.

Ainda permanecem no terreno mais de 300 bombeiros (Foto: mediotejo.net)

Uma equipa da Portugal Telecom estica cabos provisórios de comunicações ao longo da estrada porque todos os cabos foram consumidos pelas chamas.

Os moradores, ainda mal refeitos do susto e depois de uma noite em branco, olham a paisagem negra em seu redor e tentam retomar a sua rotina diária. Evitam entrevistas porque “não adianta nada”.

Viatura dos bombeiros despista-se

Dois bombeiros voluntários da corporação da Amadora ficaram feridos na sequência de um despiste da viatura em que seguiam quando se dirigiam para o incêndio da Sertã. O acidente aconteceu na quarta feira, dia 23, ao fim da tarde, na localidade de Perna do Galego.

Com ferimentos ligeiros, os dois bombeiros foram transportados para o Hospital de Castelo Branco apenas por precaução.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.