Troço junto à ponte sobre a ribeira da Sertã, um dos pontos negros do IC8. Foto: DR

Os dois acidentes graves registados no passado fim de semana no IC8, próximo da Sertã, foram um dos assuntos abordados na reunião de Câmara realizada no dia 9 por videoconferência.

O problema foi levantado pela vereadora Cristina Nunes (PS), começando por lamentar “a perda de um jovem filho da terra e membro da Assembleia de Freguesia da Várzea dos Cavaleiros”. Tiago Alves Farinha, de 33 anos, foi a vítima mortal de um grave acidente registado no dia 7 num dos pontos negros do IC8, o viaduto que passa sobre a ribeira da Sertã entre a saída nº 31 (Sertã Centro) e a saída nº 32 (Sertã Este).

A Vereadora disse saber que a Infraestruturas de Portugal (IP) “fez intervenções no viaduto não há muito tempo, mas o que é certo é que os acidentes continuam”, demonstrando a preocupação da sua bancada.

Cristina Nunes considera não ser aceitável que ocorram mais acidentes e questionou o Presidente da Câmara sobre as diligências feitas pela autarquia junto das IP “sobre aquele ponto negro do IC8”.

José Farinha Nunes (PSD) respondeu dizendo que tem feito contactos com a IP e prometeu voltar a insistir para que aquela entidade avalie as causas dos acidentes naquela zona.

“É necessário agir de alguma forma. Não se podem repetir mais acidentes”, defendeu o autarca, para quem a solução passa por reduzir ainda mais o limite de velocidade e uniformizar o tipo de piso que atualmente contém metal e alcatrão. O Presidente da Câmara disse não entender como é que autorizaram a construção de uma ponte em forma de curva.

“É estranho no mínimo”, considera. José Farinha Nunes insistiu na necessidade de uniformização do piso e que este tenha mais aderência.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.