Alunos do Agrupamento de Escolas da Sertã encerraram em dezembro de 2019 a escola a cadeado devido à paragem das obras desde Abril de 2018. Foto arquivo: AES

A Assembleia Municipal da Sertã aprovou, por unanimidade, na sessão do dia 14, uma moção a “solicitar ao governo de Portugal que proceda ao reforço financeiro necessário à resolução das deficiências estruturais identificadas em abril de 2019 na Escola Secundária e previstas no projeto de ampliação e reforço do edifício principal”.

As obras nesta escola estão paradas há 18 meses e os alunos continuam a ter aulas em instalações improvisadas e sem condições.

O Ministério da Educação e a Câmara Municipal da Sertã assinaram a 6 de dezembro de 2017 um acordo de colaboração para a requalificação das instalações da escola. As obras iniciaram-se em setembro de 2018 tendo um prazo de um ano para a sua conclusão.

As aulas passaram a decorrer em espaços improvisados com escassas condições para a prática letiva tendo a comunidade escolar aceite estas condições na expectativa de se tratar de um período curto e transitório em prol dos benefícios que seriam alcançados com a realização das obras

Em abril de 2019 as obras foram suspensas por razões relacionadas com a estrutura do edifício. O projeto foi revisto contemplando um esforço estrutural e as obras de requalificação foram retomadas. No entanto após a sua conclusão o edifício teve de continuar encerrado a aguardar pelo referido reforço mantendo-se a prática letiva em contentores dispersos “que colocam várias questões de segurança e desconforto térmico”, segundo o texto da moção.

Toda esta situação “é agravada pelos constrangimentos do contexto pandémico imposto aos agrupamentos escolares”, sublinha-se.

Os autarcas consideram que “aos alunos da Sertã não são assegurados contextos de aprendizagem condignos o que condiciona a sua prestação. Também os professores, apesar de empenhados, trabalham em deficientes condições condicionando a sua forma de lecionar.

Para os deputados municipais “não é tolerável que, ao fim de 18 meses e já com o projeto de reforço elaborado, ainda não exista um plano de execução do reforço da escola”.

A edifício da Escola Secundária da Sertã tem mais de 60 anos de existência.

Estão matriculados no agrupamento cerca de 1350 alunos, sendo que 350 frequentam o ensino secundário, regular e profissional do 10º ao 12º ano de escolaridade.

Antes da votação da moção, o Presidente da Câmara esclareceu que o que está em causa é o reforço financeiro do Ministério da Educação. A Câmara mostrou-se disponível para ser o dono da obra, o que equivale a 17% de redução no custo da mesma.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.