Jardim do Castelo em Abrantes. Créditos: CMA

“A fiabilidade dos sistemas ainda garante em condições normais o abastecimento a toda a população do concelho, mas, perante o novo contexto nacional de seca, urge a necessidade de implementar medidas extraordinárias e preventivas”, afirmou o presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, em reunião do executivo realizada na terça-feira, dia 9 de agosto.

Reforçar a redução dos tempos de rega em espaços verdes, avançar com um projeto global de captação de água de origens alternativas, promover o recurso à implementação de contadores inteligentes e à generalização de temporizadores e intensificar a fiscalização dos usos da água dos fontanários públicos são algumas das medidas preventivas anunciadas em Abrantes, num município que registou perdas de água no sistema na ordem dos 20%, em 2021, a maioria das quais relacionada com ruturas em condutas.

O presidente da Câmara de Abrantes anunciou um reforço de medidas de gestão, poupança e uso público de água. Foto: mediotejo.net

ÁUDIO | MANUEL JORGE VALAMATOS, PRESIDENTE CM ABRANTES:

“Queremos instalar rapidamente, ou o mais breve possível, contadores inteligentes, por forma a que, sempre que haja ruturas, esses contadores possam logo dar uma mensagem ao sistema para termos a informação que estamos perante ruturas”, disse à agência Lusa o autarca socialista.

Este projeto-piloto foi iniciado há dois anos, com contadores instalados na localidade de Esteveira, que “permitem a leitura automática do consumo da água, mas, fundamentalmente, possibilitam a identificação de fugas existentes bem como o controlo do consumo, evitando assim o desperdício de água”.

A intenção do município é alargar agora o sistema a outras localidades com maior consumo.

Por outro lado, Manuel Jorge Valamatos destacou a importância da “telegestão nas redes em baixa, nas redes de água domiciliária”, com “programas e instrumentos capazes de sinalizar quando há perdas”, prometendo um “investimento contínuo” num conjunto de “projetos de reabilitação das redes em baixa para valorizar o sistema e para que haja um menor número de perdas possível”.

Abrantes reforça medidas de gestão, poupança e uso público de água. Foto: CMA

Segundo lembrou o autarca de Abrantes, este é um projeto de “trabalho continuado que arrancou no início do século XXI”, quando o município e os Serviços Municipalizados de Abrantes (SMA) repensaram a rede de abastecimento de água do concelho, tendo então decidido avançar com a “opção estratégica de realizar o abastecimento de água a partir da albufeira” de Castelo do Bode.

“Esta política estratégica de longo prazo foi delineada através de uma visão global em defesa da eficiência hídrica e da antecipação de períodos de seca, como o que atualmente vivemos, aumentando a disponibilidade e qualidade de água em todo o concelho”, salientou.

Além disso, acrescentou, paralelamente, “todos os dias são efetuados investimentos na remodelação das redes em baixa mais antigas e com maior percentagem de perdas”.

Relativamente às medidas agora anunciadas, e que já entraram em vigor, o município de Abrantes vai “reforçar a redução dos tempos de rega em espaços verdes para o tempo estritamente necessário à sobrevivência das plantas”, embora os de maior dimensão já sejam regados a partir de “furos de captação” e sistemas de rega automática, com programadores para aproveitar as horas de menor consumo (noite) e de menor evapotranspiração.

Para além de “continuar a redesenhar áreas verdes, agrupando as espécies segundo as suas necessidades hídricas”, o município vai também desenvolver um projeto global de captação de água de origens alternativas para usos “menos nobres” do que a água tratada, nomeadamente para rega de espaços verdes e, em alguns casos, para lavagens e abastecimento de veículos de combate a incêndios, “evitando assim o desperdício de água tratada para consumo humano”.

Outras da medidas anunciadas passam pela desativação total ou parcial de lagos e chafarizes ornamentais que não possuam ainda sistemas de recirculação, a intensificação da fiscalização dos usos da água dos fontanários públicos e generalização de temporizadores nos sistemas de torneiras e chuveiros de edifícios sob gestão municipal, bem como nos fontenários públicos.

Está igualmente prevista a proibição do enchimento de piscinas particulares através dos bombeiros com água fornecida pelos SMA e o reforço das campanhas de sensibilização junto da população para o uso racional da água e da energia.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.