Foto: pplware

“Somos pioneiros do programa abem. Dos primeiros cinco municípios a participar neste programa, de apoio à compra de medicamentos com prescrição médica”, começou por dizer o presidente da Câmara, Miguel Borges (PSD), na última reunião de executivo municipal, realizada a 8 de junho.

O abem é o primeiro programa solidário da Associação Dignitude, uma instituição particular de solidariedade social, que nasce da parceria entre o setor social – Cáritas Portuguesa e Plataforma Saúde em Diálogo e o setor da saúde – Associação Nacional das Farmácias e Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica. Tem por missão desenvolver programas solidários de grande impacto social que melhorem a qualidade de vida e o bem-estar dos portugueses.

Nos últimos cinco anos, em Sardoal, foram referenciados, até ao dia 24 de maio de 2022, 69 beneficiários. Nessa mesma data, o número de beneficiários atuais totaliza “34 pessoas num universo de 22 famílias constituídas entre 1 e 4 elementos”, deu conta o autarca.

Reunião de Câmara Municipal de Sardoal

Desta forma, os cidadãos sinalizados podem levantar nas farmácias os medicamentos de que necessitam, mesmo que não tenham dinheiro. Os beneficiários do programa são, então, pessoas que se encontram numa situação de carência económica e não conseguem comprar os medicamentos que precisam.

“Os beneficiários do concelho de Sardoal tinham gasto na aquisição de medicação, média mensal, de 703 euros, valor global mensal do conjunto dos beneficiários apurados, entre janeiro e 24 de maio”, informou Miguel Borges.

Contudo, a Associação Dignitude propôs uma alteração ao protocolo que envolve mudanças, designadamente que “a capacitação per capita inferior a 50% do indexante de apoios sociais passe para 221.6, era 213. As despesas fixas do agregado familiar, com habitação, renda, crédito à habitação, despesas com água, eletricidade e gás, dedução até ao tecto máximo de 35% do valor de rendimento mensal do agregado familiar ”, explica Miguel Borges

O município pagava até agora 80 euros por cada membro de um agregado familiar, passando a pagar 135 euros ano por beneficiário, a associação Dignitude assume o restante custo dos medicamentos.

Um trabalho que Miguel Borges classifica de “muito bom”, uma forma de apoiar “sem que ninguém perceba que a pessoa está a ser apoiada” porque “tem um cartão idêntico ao cartão multibanco e numa farmácia paga com o cartão da Dignitude”.

Presidente da Câmara de Sardoal, Miguel Borges

Do lado da oposição, o vereador Pedro Duque (PS) considera que a alteração, ou seja, “o acréscimo dos encargos não é materialmente relevante” votando, por isso, favoravelmente a proposta sendo que a proposta socialista passa por “ir um pouco mais além. Era comparticiparmos noutra amplitude”, acrescentou.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *