Município de Sardoal alarga abrangência do programa de desfibrilhação automática externa. Foto: DR

O Município de Sardoal encontra-se em processo de aumento da capacidade do programa de desfibrilhação automática externa, criado no ano transato. Desta forma, serão adquiridos quatro novos equipamentos, juntando-se estes aos dois desfibrilhadores automáticos externos (DAE’s) adquiridos no ano transato, e já instalados no Parque Desportivo Municipal e na Piscina Coberta. A par do investimento em equipamentos vão ser ministrados também cursos de formação em suporte básico de vida.

Os novos equipamentos serão agora instalados na Escola Básica e Secundária Dr.ª Judite Andrade, no Centro Cultural Gil Vicente, no Edifício dos Paços do Concelho e no Complexo Desportivo de Alcaravela (este adquirido pela Junta de Freguesia de Alcaravela), locais onde ocorre maior afluência de número de pessoas, abrangendo também edifícios e espaços contíguos.

Durante o mês de novembro irão decorrer oito ações de formação em Suporte Básico de Vida com DAE (SBV-DAE), tendo como destinatários 48 pessoas, entre funcionários da Autarquia, professores e técnicos de entidades desportivas de âmbito municipal, designadamente do Grupo Desportivo e Recreativo “Os Lagartos” e do Grupo Desportivo de Alcaravela, permitindo a operacionalização do programa municipal DAE.

As ações de formação serão ministradas por formadores credenciados do Corpo de Bombeiros Municipais de Sardoal e certificadas por empresa externa e pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

A instalação destes equipamentos e a capacitação destes técnicos para os utilizar, irá permitir, em caso de emergência, uma desfibrilhação precoce por forma a promover o sucesso da “cadeia de sobrevivência”.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *